inova.jor

inova.jor

‘Unicórnios’ são cada vez mais comuns no setor de tecnologia

Motorista do Uber em Bogotá
Motorista do Uber em Bogotá

Startups de tecnologia com capital fechado e valor de mercado maior do que US$ 1 bilhão costumavam ser chamadas de “unicórnios”, por causa de sua raridade.

Nos últimos anos, as companhias iniciantes têm adiado cada vez mais sua primeira oferta de ações, o que fez com que o total de “unicórnios” subisse de 42 em janeiro de 2014 para 113 em agosto deste ano, segundo o Wall Street Journal.

Infographic:

Felix Richter, jornalista da Statista, sugeriu que esse tipo de empresa passe a ser chamada de “cavalo”, por ter se tornado tão comum.

Tem gente que vê nessa tendência uma indicação de que o mercado de tecnologia passa por uma nova bolha, mas Matt Rosoff, da Business Insider, destacou que o dinheiro que têm ido para essas empresas ainda é menos da metade do que foi em 1999, auge da bolha da internet.

‘Unicórnios’ gigantes

Dentre as empresas de tecnologia de capital fechado, a maior é o Uber, avaliado em US$ 50 bilhões. O serviço que permite contratar motoristas particulares têm causado controvérsia no Brasil, que inclui críticas de políticos e reações violentas de taxistas.

Em segundo lugar, vem a fabricante chinesa de celulares Xiaomi (US$ 46 bilhões), que desembarcou recentemente por aqui, seguida do Airbnb, em que o usuário pode colocar sua própria casa para alugar por períodos curtos.

Infographic: Uber Becomes the World's Most Valuable Startup | Statista

No Brasil, empresas com capital fechado e valor de mercado maior do que US$ 1 bilhão continuam a ser tão raras quanto unicórnios.

Foto: Alexander Torrenegra / Creative Commons

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Ustore desenvolve tecnologia de nuvem no Porto Digital, no Recife / Divulgação

Criada no Recife, Ustore traça planos de expansão internacional

Nelson Campelo construiu uma carreira de sucesso em multinacionais de tecnologia da informação, tendo ocupado a presidência da subsidiária brasileira da Avaya. Há sete semestres, comanda a Ustore, uma startup de soluções de computação em nuvem criada no Recife. Além de liderar a operação, Campelo se tornou investidor da empresa. “Depois[…]

Leia mais »
Cláudio Ferrari, da Sboc, participou de evento sobre gestão da informação aplicada à saúde / Renato Cruz/inova.jor

Análise de dados pode ajudar a salvar vidas

A saúde brasileira ainda precisa passar por uma revolução de informação. Segundo estudo da McKinsey, a adoção de tecnologias de análise de dados e big data poderia trazer um ganho de eficiência de 35% ao setor. Cláudio Ferrari, secretário de Comunicação Social da Sociedade brasileira de Oncologia Clínica (Sboc) participou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami