inova.jor

inova.jor

DuPont: ‘Brasil tem como dar resposta a problemas mundiais’

Judd O'Connor, presidente da DuPont América Latina, fala sobre inovação
Judd O’Connor, presidente da DuPont para a América Latina, fala sobre inovação

Problemas em áreas como nutrição e energia tendem a aumentar nos próximos anos, com o crescimento da população mundial, que já ultrapassa 7 bilhões. “O Brasil é bastante capaz de dar resposta a esses grandes problemas globais”, afirmou Judd O’Connor, presidente da DuPont para a América Latina.

A afirmação pode parecer estranha, num momento em que a economia brasileira enfrenta uma deterioração tão rápida. Mas o discurso está alinhado com as atividades recentes da companhia americana: a DuPont inaugurou neste mês uma ampliação de seu Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Paulínia, no interior de São Paulo.

Em julho, a DuPont finalizou o processo que transformou sua divisão química numa empresa separada, chamada Chemours, para focar em três mercados: agricultura e nutrição, biociências industriais e materiais avançados. Com o destaque brasileiro no agronegócio, o País se coloca como um mercado-chave para a DuPont.

DuPont tem centro de pesquisa e desenvolvimento em Paulínia (SP)
DuPont tem centro de pesquisa e desenvolvimento em Paulínia (SP)

Muitos dos projetos tocados pelos pesquisadores em Paulínia estão ligados ao papel que o Brasil desempenha no mercado mundial de alimentos. “Exercemos aqui dois tipos de inovação”, disse O’Connor. “Um deles está ligado à aplicação local da tecnologia mundial da DuPont. Outro está na conexão de Paulínia à rede global de pesquisa e desenvolvimento do grupo, em projetos que podem ou não estar ligados a necessidades brasileiras.”

Alimento e energia

O executivo deu exemplos de projetos que refletem o novo perfil da empresa. Um dos objetivos da companhia é desenvolver novas maneiras de embalar comida, melhorando sua conservação. “A indústria perde de 20% a 30% dos alimentos”, disse o presidente da DuPont para a América Latina. “Queremos criar novas tecnologias de embalagem que estendam a durabilidade dos produtos na prateleira.”

Outro exemplo é da área de energias renováveis. O etanol que usamos hoje, de primeira geração, aproveita somente um terço do potencial energético da cana de açúcar. Somente o caldo da cana é transformado em combustível, sendo que a palha e o bagaço se perdem.

Existem técnicas de segunda geração, como enzimas que transformam celulose em açúcares, que permitem tirar proveito de todo o potencial energético da cana. Apesar de essas tecnologias já existirem há alguns anos, até recentemente havia dificuldade de torná-las economicamente viáveis.

Segundo O’Connor, esse problema não existe mais. A DuPont criou uma usina de etanol celulósico em Nevada, nos Estados Unidos, onde a matéria-prima é o milho. A mesma tecnologia usada lá pode ser empregada no Brasil para produzir etanol de segunda geração a partir da cana.

“Estamos prontos”, disse o executivo, sem definir um prazo para a instalação de uma usina desse tipo no País.

Investimento e crise

Desde 2009, a DuPont investiu US$ 22 milhões na ampliação de seu centro de pesquisas de Paulínia. “Temos um compromisso com o País”, destacou O’Connor. Foram inaugurados este mês laboratórios de tratamento de sementes, biociências industriais e impressão flexográfica.

Para o ano que vem, está prevista a inauguração de mais um laboratório em Paulínia, para testar vestimentas de proteção, quando expostas ao fogo, principalmente par ao setor de petróleo e gás, química e mineração.

Criado na década de 1980, o centro de Paulínia foi, por 20 anos, dedicado exclusivamente para pesquisas no setor agrícola.  A DuPont também tem na cidade um centro de inovação.

Além da situação econômica brasileira, a DuPont enfrenta desafios econômicos globais, como a queda do preço das commodities (que afeta os resultados de seus clientes) e a alta do dólar frente a outras moedas (e não somente ao real). “O cenário é desafiador”, reconheceu o executivo.

As operações internacionais respondem por cerca de 60% do faturamento da DuPont, e o Brasil está entre os seus cinco principais mercados.

Fotos: Divulgação / DuPont

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Eric Hutto (dir.), da Unisys, fala da importância da tecnologia para o governo / Renato Cruz/inova.jor

‘Tecnologia precisar ser prioritária na agenda do governo’

A transformação digital do governo é um tema prioritário nas maiores economias do mundo, tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Mas ainda não no Brasil. Para Eric Hutto, presidente sênior da Unisys, as eleições deste ano são uma oportunidade para mudar esse cenário. A digitalização pode tornar o governo[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami