inova.jor

inova.jor

Quanto tempo você conseguiria sobreviver sem tecnologia?

O filme 'Perdido em Marte' mostra como dependemos da tecnologia
O filme ‘Perdido em Marte’ mostra como dependemos da tecnologia

Desde o fim do Programa Apollo, em 1972, as missões espaciais tripuladas ficaram circunscritas à órbita da Terra. Antes de criar a SpaceX, em 2002, Elon Musk procurou no site da Nasa o plano da agência espacial americana para levar o homem até Marte e, ao não encontrar, achou que estivesse procurando no lugar errado. Quando percebeu que o governo dos Estados Unidos não planejava financiar um projeto desse tipo, criou sua própria companhia de exploração espacial para assumir o compromisso.

Musk, que também fundou a montadora Tesla, esperava lançar sua primeira missão para Marte em 2009, sete anos depois de lançar sua empresa. Mas construir foguetes é mais difícil do que o empresário imaginava. Apesar de sucessos históricos (a SpaceX foi, por exemplo, a primeira empresa privada a enviar um veículo até a Estação Espacial Internacional, em 2012), a missão para Marte foi adiada para 2026.

Ao lançar a Tesla, Musk jogou toda a indústria automobilística numa corrida para viabilizar o carro elétrico, mercado do qual o setor parecia já haver desistido. Com a SpaceX, o empresário deu o impulso que os EUA precisavam para criar uma missão para Marte. A Nasa planeja enviar uma missão tripulada para o planeta na década de 2030.

‘Perdido em Marte’

O filme Perdido em Marte, que está em cartaz, retrata uma missão ao planeta, e mostra como dependemos da tecnologia para sobreviver. O astronauta Mark Watney (Matt Damon) encontra-se sozinho num ambiente extremo, hostil à vida, e consegue se manter somente aplicando seus conhecimentos de ciência. Não costumamos enfrentar condições inóspitas como as que encontrou o astronauta, mas somos tão dependentes da tecnologia quanto ele.

Com a confiança que tem na capacidade do ser humano de domar os fenômenos naturais e usá-los em seu benefício, Watney consegue manter o ânimo enquanto espera uma possível missão de resgate. O filme é uma ode à engenharia, ao pensamento científico e à exploração espacial, num momento em que a Nasa busca fundos para financiar sua missão para Marte.

Ridley Scott dirigiu dois clássicos da ficção científica: Alien, o oitavo passageiro (1979) e Blade Runner, o caçador de androides (1982). Não foi tão feliz quando revisitou o gênero há três anos, com Prometheus. Apesar de não inspirar discussões profundas como os dois clássicos, Perdido em Marte é uma volta à forma para Scott, que nunca foi tão leve e divertido ao tratar do futuro. É um filme tão ensolarado quanto as planícies marcianas que retrata.

Foto: Reprodução

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

'Sandy Wexler' é o terceiro filme exclusivo para o Netflix feito por Adam Sandler / Reprodução

Por que a Netflix decidiu fazer oito filmes com Adam Sandler

O que é bom gosto em cinema? Confesso que gosto do Adam Sandler. Acho Embriagado de Amor, em que ele é o protagonista, o melhor filme já feito pelo diretor Paul Thomas Anderson. Melhor que Sangue Negro e melhor que Magnólia. Mas eu não consegui ver The Ridiculous 6, o primeiro filme[…]

Leia mais »
Serviços como Netflix tem reduzido a demanda por TV paga / Divulgação/Netflix

Como o vídeo por streaming afeta a TV paga

No ano passado, o Brasil perdeu assinantes de TV paga pela primeira vez. Foram cerca de 500 mil pessoas que desligaram seus serviços de cabo ou satélite. Parte disso foi resultado da crise. Outra parte foi uma tendência que já acontece há algum tempo fora do Brasil, chamada “cord cutting”.[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami