inova.jor

inova.jor

Você pagaria para não ver anúncios no YouTube?

youtube
YouTube Red estreia nos EUA

Estreou ontem, nos Estados Unidos, o YouTube Red, a versão paga do YouTube que não tem anúncios durante a exibição dos vídeos. A assinatura custa US$ 9,99 para Android e desktop, e US$ 12,99 para iOS. A empresa ainda não tem datas de expansão da versão paga para outros países. Além da ausência de publicidade, o YouTube Red permite que os assinantes salvem os vídeos preferidos para ver offline e continue com o áudio ligado enquanto usa outros aplicativos no desktop ou aparelho móvel. O Red também será estendido para os canais de música, games e infantil da empresa.

A grande promessa do novo serviço é a área de conteúdo exclusivo. Para 2016, já estão programados filmes e séries com algumas das estrelas nascidas no YouTube, incluindo PewDiePie, o maior comentarista de vídeo games da plataforma, que vai estrear um reality chamado Scare PewDiePie, The Fine Brother, com uma paródia sobre as famosas competições musicais, o CollegeHumor, Joey Graceffa, Toby Turner, entre outros. A ideia é conseguir trazer a base de fãs desses artistas para o Red. Com esses lançamentos, o YouTube sinaliza uma mudança definitiva para uma empresa de mídia, em uma tentativa de competir com outros serviços de assinatura como o Netflix e Hulu.

A diferença da entrada da empresa na disputa pelas assinaturas da TV por Internet é o potencial de alcance da plataforma somado ao dinheiro do Alphabet, o conglomerado que possui as empresas do Google. Se 5% da audiência norte-americana do YouTube assinar o Red, já representa um acréscimo de mais de US$ 1bi na receita anual da empresa. E ela pretende investir em grandes produções com as suas principais estrelas. O reality Scare PewDiePie, por exemplo, terá a produção dos criadores da série The Walking Dead.

Os youtubers, como são conhecidos os produtores de vídeo no YouTube, são as novas potências para impulsionar a indústria do entretenimento. Muito influentes entre os adolescentes, já foram percebidos pelo público adulto e são considerados celebridades mais críveis do que as estrelas do cinema e da TV. Os assinantes dos canais com as maiores audiências da plataforma consomem todas as novidades lançadas pelas suas estrelas. Vídeos, livros, produtos, entradas para eventos onde seus favoritos vão aparecer. Simpáticos e acessíveis, eles gostam de dividir dicas e experiências com a audiência e não se importam de trabalhar com as marcas que acreditam.

A dúvida agora é: quem está habituado a consumir vídeos de forma gratuita, vai se interessar em pagar por um conteúdo diferente e mais elaborado do que o original que impulsionou o sucesso dessas celebridades? E como os youtubers serão remunerados no Red, uma vez que o dinheiro de repasse dos anúncios não vale mais para o novo formato? O dinheiro vai ficar apenas com os canais de grande audiência?

Dependendo das alterações de negócio e da recepção do público, o YouTube vai ficar mais próximo do modelo dos concorrentes. Resolverá o problema dos programas de ad-blocking, buscando o dinheiro do público em troca de programação de qualidade e sem interrupções, já que a crise com a publicidade após o sucesso dos bloqueadores é crescente. Por outro lado, a remuneração dos canais pela visualização dos vídeos, proporcionada pela publicidade na plataforma, pode ficar cada vez mais difícil, inviabilizando o sonho de diversas pessoas que criam conteúdo todos os dias, em busca de uma renda e da fama na Internet.

Foto: YouTube/Reprodução

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

'Os monges pararam de meditar? Pararam de rezar? Todos parecem estar tuitando', diz Herzog / Reprodução

Werner Herzog apresenta visão apocalíptica da internet

No começo de setembro de 1859, uma grande tempestade solar, que ficou conhecida como Evento Carrington, causou falhas em sistemas de telégrafo nos Estados Unidos e na Europa. Fitas de telégrafo pegaram fogo e torres soltaram faíscas. Alguns operadores tomaram choques, enquanto outros conseguiram transmitir e receber mensagens mesmo depois de[…]

Leia mais »
Educação: Dispositivos móveis são uma aposta da D2L / Enric Fradera/Creative Commons

‘A educação online é a salvação da América Latina’

A educação a distância substituirá a educação tradicional em alguns anos? É possível ter uma boa formação sem encontrar pessoalmente o professor? Até onde vai o uso da tecnologia para adquirir conhecimento? Essas são apenas algumas das questões que surgem com a aplicação crescente da tecnologia à educação, e o mercado deve receber um forte[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami