inova.jor

inova.jor

Como o modelo de assinaturas muda o mercado de software

A Loucomotion assina sistemas da Autodesk para criar imagens de veículos
A Loucomotion usa sistemas da Autodesk para criar imagens de veículos / Foto: Loucomotion/Divulgação

Não é fácil mudar de modelo de negócios. A Autodesk, cujo produto mais famoso é o software de projetos Autocad, anunciou hoje que, no Brasil, deixará de vender licenças permanentes a partir de 31 de janeiro de 2016. A empresa já prepara há dois anos a transição para o modelo de assinatura. Em outros países, ainda será possível comprar licenças de alguns produtos até 31 de junho.

“Vamos conquistar mais clientes, mas nossa receita vai cair”, afirma Marcelo Landi, presidente da Autodesk Brasil. “É um risco que a gente assume.” A transição já teve impacto negativo no resultado da companhia no segundo trimestre fiscal, encerrado em 31 de julho. O faturamento mundial da Autodesk caiu 4%, para US$ 609 milhões no período. O prejuízo da empresa chegou a US$ 235 milhões, comparado a um lucro de US$ 31 milhões no mesmo período de 2014.

Segundo Landi, a Autodesk espera uma recuperação rápida dos negócios, pelo menos no Brasil, depois de uma queda inicial. “O modelo de assinaturas, que garante receitas recorrentes, é muito mais sólido”, afirmou o executivo.

A expectativa é conquistar mais clientes no mercado de pequenas e médias empresas, que atualmente usa software de concorrentes ou cópias piratas. Cerca de metade do mercado brasileiro é abastecido por versões ilegais.

Novo mercado

Criada há um ano, a Loucomotion é um estúdio especializado em criar imagens tridimensionais para campanhas de montadoras de veículos. “Se não fosse o modelo de assinaturas, estaríamos trabalhando com outro software, e teríamos outro resultado”, diz Matteo Murador, sócio da Loucomotion. Eles usam os sistemas 3DS Max e Vred, da Autodesk.

Para se ter uma ideia da diferença de preços, a licença permanente do Autocad LT 2016, na loja online da Autodesk, custa R$ 5,4 mil. A assinatura mensal sai por R$ 200.

A Autodesk é somente um exemplo de empresa que tem migrado do modelo de licenças para o de assinaturas. A Microsoft cobra uma assinatura mensal de R$ 26 pelo seu pacote Office 365. A licença do Office Home & Student 2016 custa R$ 347.

Previsões da Forrester Research para o mercado de software como serviço (SaaS)

A consultoria Forrester Research prevê que o mercado mundial de software como serviço (Saas, na sigla em inglês), que inclui o modelo de assinaturas, chegará a US$ 87 bilhões  este ano. Para 2016, o crescimento esperado é de 22%, para US$ 106 bilhões.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

UPX investiu US$ 1,5 milhão na expansão para os Estados Unidos / Divulgação

UPX Technologies, de Campinas, expande atuação nos EUA

Especializada em segurança e infraestrutura de internet, a UPX Technologies se conectou, no início deste ano, a um dos principais pontos de troca de tráfego (PTTs) dos Estados Unidos, a FL-IX, na Flórida. Os PTTs funcionam como uma espécie de hubs em que provedores podem conectar os servidores, assim facilitam[…]

Leia mais »
Trator conectado da Stara foi apresentado durante o SAP Forum / Renato Cruz/Inova.jor

Para que serve um trator conectado à internet

“Internet das coisas” é uma expressão tão abrangente que até se torna vaga. Durante o SAP Forum, que aconteceu nesta semana em São Paulo, foi possível conhecer uma aplicação concreta. A Stara, fabricante de tratores de Não-Me-Toque (RS), apresentou durante o evento o ST MAX 180, equipado com sensores que monitoram suas atividades em tempo[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami