inova.jor

inova.jor

Pesquisa do IBGE mostra crescimento do celular no acesso à internet

Os brasileiros compraram mais celulares e menos computadores / Foto: Hernán Piñera/Creative Commons
Os brasileiros compraram mais celulares e menos computadores / Foto: Hernán Piñera/Creative Commons

O acesso à internet estava estagnado no Brasil. Em 2013, a Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), havia mostrado que 49,4% dos brasileiros acessavam a rede mundial, um crescimento pequeno em relação aos 49,2% do ano anterior.


Evolução do acesso à internet, segundo a Pnad

Em 2014, esse número deu um salto, para 54,4%, segundo a edição mais recente da Pnad, divulgada na sexta-feira.  Isso aconteceu apesar da queda na posse de computadores nas residências brasileiras. O número de casas com PCs passou de 48,9% para 48,5% do total, e de PCs com internet, de 42,4% para 42,1%. O interessante é que existem 6,4% de residências brasileiras com micros desconectados. O que será que eles fazem com essas máquinas?

O total de residências com celular passou de 89,8% para 91,1%, acompanhando o aumento do acesso à internet. Além da queda dos PCs e do aumento dos telefones móveis, a edição mais recente da Pnad trouxe dois números interessantes: a presença do rádio caiu de 75,7% para 72,1% e do telefone fixo de 38,5% para 37,2%.

Residências brasileiras têm menos PCs e mais celulares

Meios antigos

O telefone fixo e o rádio são os meios de comunicação mais antigos dessa lista. A decadência do telefone fixo só não é mais rápida porque as operadoras de telecomunicações incentivam os combos. Costuma ser mais barato contratar um acesso à internet com o telefone fixo do que sozinho.

O rádio já ocupou uma posição central na vida das pessoas. Um bom exemplo disso é o filme A era do rádio, do Woody Allen, que mostra como era a vida nos Estados Unidos em meados do século passado, durante a Segunda Guerra, e como o rádio ocupava um lugar central na sala.

No Brasil não era diferente. As pessoas ficavam à noite nas casas, sentadas ao redor do rádio, como faziam com a televisão até bem pouco tempo atrás. Apesar de ser um meio extremamente acessível, tem perdido espaço, pelo menos nas casas.

A televisão ficou praticamente estagnada, em 97,1%. E isso é principalmente TV aberta. É um número que mostra como a TV continua sendo um meio importante no Brasil, presente na vida de 97% da população, enquanto a internet chega a 54%.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Com dívida de R$ 65,4 bilhões, a Oi entrou ontem com pedido de recuperação judicial / Pablo Gonzalez/Creative Commons

Como fica a Oi após a aprovação do plano de recuperação

A Oi diminuiu 19% desde 2010, ano em que comprou a Brasil Telecom. Segundo a consultoria Teleco, a operadora tinha registrado receita líquida de R$ 29,5 bilhões naquele ano. No período de 12 meses até setembro de 2017, o acumulado ficou em R$ 23,9 bilhões. Na madrugada de ontem (20/12),[…]

Leia mais »
Setor brasileiro de telecomunicações depende menos das grandes operadoras / Oleg Zaytsev/Creative Commons

‘Cenário da competição nas telecomunicações começa a mudar’

O mercado brasileiro de telecomunicações está menos dependente dos grandes players. Operadoras competitivas têm conseguido criar alternativas tanto no acesso e na rede de transporte quanto em conexões internacionais. A participação de mercado das empresas competitivas chegou a 18,8% em agosto deste ano. No fim de 2015, era de 14%.[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami