inova.jor

inova.jor

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen
Mercado da Blockbuster foi rompido pela Netflix, segundo Clayton Christensen

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”).

Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram em setembro um artigo na MITSloan Management Review, em que analisam 77 casos estudados por Christensen e seus coautores, a partir de quatro características do que seriam “inovações rompedoras”, e chegam à conclusão de que somente 9% dos casos se enquadram nos quatro pré-requisitos.

Antes disso, a historiadora Jill Lepore já havia criticado a teoria de Christensen na revista New Yorker.

Clayton Christensen esteve este mês em São Paulo, para o evento HSM ExpoManagement 2015. Eu havia pedido para marcar uma conversa e tratar dessa polêmica, mas o professor declinou.

Ele me mandou o link para uma entrevista que havia dado ao Boston Globe e acrescentou: “Em dezembro, a Harvard Business Review publicará um novo artigo pesquisado e escrito por mim com dois colegas, e acredito que irá detalhar de forma mais completa o estado da inovação rompedora hoje e o valor da teoria por trás dela”.

Pois o artigo já está online e se chama O que é inovação rompedora?.

Uber e Tesla não são ‘rompedores’

Christensen e os coautores Michael E. Raynor e Rory McDonald escrevem que a teoria da ruptura corre o risco de se tornar vítima do próprio sucesso. As pessoas passaram a usar o termo inovação rompedora para qualquer ocasião em que a dinâmica de um mercado é mudada pelo surgimento de um novo entrante. “Na nossa experiência, muitas pessoas que falam de ‘ruptura’ não leram um livro ou artigo sério sobre o assunto”, acrescentam.

Eles definem inovação rompedora da seguinte forma:

‘Ruptura’ descreve um processo em que uma empresa menor, com menos recursos, é capaz de enfrentar com sucesso companhias dominantes estabelecidas. Especificamente, conforme as empresas dominantes focam em melhorar seus produtos e serviços para os clientes mais exigentes (e normalmente mais lucrativos), elas acabam por ultrapassar as necessidades de alguns segmentos e ignorar as necessidades de outros. Entrantes que se mostram rompedoras começam a endereçar com sucesso esses segmentos mal atendidos, e ganham espaço ao oferecer funcionalidade mais adequada – frequentemente a um preço menor. As dominantes, ao procurar lucratividade mais alta em segmentos mais exigentes, tendem a não responder com vigor. As entrantes então se movem mercado acima, oferecendo a performance que os principais clientes das empresas dominantes exigem, ao mesmo tempo em que preservam as vantagens que garantiram seu sucesso inicial. Quando os clientes principais começam a adotar a oferta dos entrantes em volume, a ruptura aconteceu.

Um dos exemplos dados pelos autores é a Netflix, que mudou a forma como as pessoas consomem vídeo em casa e tirou do mercado uma gigante como a Blockbuster. Eles explicam que os principais clientes da Blockbuster estavam interessados em lançamentos, e alugavam por impulso.

A Netflix começou como um serviço de aluguel de DVDs pelo correio. Quem queria o lançamento da semana não conseguiria na Netflix, pois os filmes demoravam dias para serem entregues. Ao mesmo tempo, o serviço da Netflix era mais barato, mais cômodo e oferecia um catálogo maior do que uma loja típica da Blockbuster.  E, quando a tecnologia permitiu que a Netflix distribuísse seu catálogo online, ela passou a ser atrativa para o cliente típico da Blockbuster.

Um ponto importante nesse caso, destacado pelo autores, é que a inovação rompedora é um processo, que acontece no tempo, e que pode levar anos para dar resultado.

Seguindo esse ponto de vista, Christensen e seus coautores argumentam que o Uber não é uma inovação rompedora em relação aos táxis, pois oferece um serviço equivalente para os clientes principais dos taxistas. O aplicativo traz mais conveniência e facilidades, e pode ser considerado então uma inovação sustentadora.

Da mesma forma, a Tesla não pode ser considerada uma inovação rompedora, pois tem como alvo os consumidores de carros de luxo. A montadora não foi atrás de uma fatia de mercado mal atendida.

Uma prova disso, destacam os autores, foi a reação imediata das empresas dominantes, que retomaram investimentos em carros elétricos assim que a Tesla apareceu. Normalmente, as companhias dominantes tendem a não prestar a devida atenção às inovações rompedoras no início do processo.

Os autores apontam o iPhone, da Apple, como uma inovação sustentadora em relação aos outros celulares (uma melhora em relação ao que já existia) e rompedora em relação ao computador pessoal (já que criou uma nova forma de usar aplicativos e de navegar na internet).

Como os autores destacam, muitas pessoas usam, erroneamente, a expressão “inovação rompedora” para classificar qualquer tipo de inovação que as ajudem a justificar um argumento.

Apesar de não responder diretamente às críticas, o artigo sumariza de forma clara o estado atual da teoria.

Lê-lo é se sentir um pouco como o personagem de Woody Allen na fila de cinema do filme Noivo Neurótico, noiva neurótica. O cara do lado está falando besteiras sobre Marshall McLuhan e Allen vira para Diane Keaton e diz: “Esse cara não sabe nada sobre McLuhan”. O cara responde: “Claro que sei, dou aula sobre McLuhan “. Então Allen vai até um canto e traz o próprio McLuhan, que confirma: “Você não sabe nada sobre meu trabalho”. E Allen conclui: “Se fosse fácil assim na vida real!”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons

Brasil é destaque mundial em pesquisa sobre cosméticos

A Thomson Reuters divulgou hoje (11/5) seu relatório State of Innovation 2016, e o Brasil foi destaque mundial na pesquisa científica relacionada a cosméticos. A Universidade de São Paulo (USP) ficou em primeiro lugar e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em oitavo no ranking de produção científica dessa área.[…]

Leia mais »
Curso da THNK será oferecido no Brasil em junho / Divulgação

Quais são os desafios de ser um líder inovador

A inovação exige trabalho duro. Um grande desafio das empresas é, depois de coletar ideias, colocar em prática os projetos de inovação. Mark Vernooij, sócio da THNK, escola holandesa de liderança criativa, conversou com o inova.jor, sobre os desafios de ser um líder inovador. Ele destacou cinco características: É preciso[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami