inova.jor

inova.jor

Como as políticas brasileiras prejudicam a inovação no mundo

O Porto de Paranaguá é o segundo maior do Brasil
Barreiras à importação prejudicam a inovação e a competitividade / Deyvid Aleksandr Raffo Setti/Creative Commons

Normalmente, os rankings internacionais de inovação analisam as condições e os resultados de cada país para classificá-los. A Fundação de Tecnologia da Informação e Inovação (ITIF, na sigla em inglês), um think tank sediado em Washington, divulgou hoje um estudo diferente. Foram analisados 56 países, responsáveis por 90% da economia mundial, para saber como as políticas internas de cada um deles impactam o ambiente internacional de inovação.

O Brasil ficou em 41º lugar, com uma pontuação de -8,3. A nota negativa significa que as políticas públicas brasileiras, no geral, prejudicam a inovação no mundo. O estudo levou em conta 14 fatores que, além de incentivarem a inovação dentro do país, têm um efeito global positivo, como investimentos em pesquisa e desenvolvimento e capital humano, e outros 13 fatores com efeito global negativo, como produção local forçada de produtos e proteção fraca à propriedade intelectual.

O Brasil ficou em 34º lugar no ranking dos fatores positivos e em 9º nos negativos. O relatório identificou uma correlação forte entre as contribuições de um país para a inovação global e o sucesso da política doméstica de inovação.

Mercantilismo da inovação

O estudo colocou o Brasil num grupo de países que classificou como “mercantilistas da inovação”, que também inclui a China, Rússia, Tailândia, Turquia e Vietnã. São países que, segundo o relatório, “balcanizam significativamente tanto a produção global quanto os mercados consumidores, por meio de uma vasta gama de barreiras comerciais, e têm geralmente ambientes mais fracos para proteção da propriedade intelectual do que a norma global”.

Ao lado do Quênia, Índia, Tailândia e China, o Brasil é apontado com um dos países com o mercado consumidor mais “balcanizado”.

O estudo destaca alguns das políticas brasileiras que têm efeito negativo na inovação global:

  • Impostos altos sobre consumo – O Brasil cobra quase 17% de impostos sobre produtos de tecnologia da informação e comunicação. Segundo o estudo, a carga tributária reduz a adoção de produtos de tecnologia no país em mais de 20%, fazendo com que o crescimento da economia brasileira seja pelo menos 1,2 ponto porcentual menor do que poderia ser.
  • Exigências de conteúdo local – Outro problema brasileiro são as barreiras de localização ao comércio, como exigências de produção mínima no país. Além de comunicações e tecnologia da informação, as exigências de conteúdo local brasileiras atingem setores como energia, máquinas e equipamentos, saúde, mídia, resseguros, têxteis, vestuário e calçados. Em 2010, barreiras de localização ao comércio, como as impostas pelo Brasil, afetaram cerca de US$ 928 bilhões do comércio mundial de bens e serviços, o que representou 5% dos US$ 18,5 bilhões negociados.
  • Subsídios à exportação – O estudo analisou a guerra fiscal dos Estados brasileiros para atrair montadoras. Os governos estaduais ofereceram mais de US$ 100 mil por cada emprego criado na fábrica, o que gerou capacidade excessiva de produção no setor e deixou Estados em situação financeira difícil. Políticas de subsídios à exportação, segundo o Instituto Global McKinsey, normalmente resultam em baixa produtividade e custos maiores ao consumidor.
  • Tarifas elevadas de importação – Países como Suíça, Cingapura e Hong Kong praticamente não impõem tarifas de importação. Na União Europeia, elas costumam ficar abaixo de 1,5% e, nos EUA, a taxa média é de 2,81%. Os Brasil está num grupo de países que impõem mais de 10% de tarifa de importação. Nos produtos de comunicação e tecnologia da informação, especificamente, o Brasil, ao lado da Argentina, cobra mais de 12% de imposto de importação.
  • Ausência de acordos internacionais – Países como o Brasil, que decidiram não participar do Acordo de Tecnologia da Informação em 1995, viram sua participação nas cadeias globais de valor de tecnologia da informação e comunicação cair mais de 60%. A tecnologia da informação tem participação menor que 1% nas exportações do Brasil, Chile e Argentina, que não participam do acordo. Em países em desenvolvimento que decidiram participar, como Costa Rica, Vietnã, China, Malásia e Filipinas, a tecnologia tem uma fatia de mais de 20% nas vendas ao exterior.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Fundação Certi, de Florianópolis, é uma das credenciadas da Embrapii visitadas no programa de imersão / Renato Cruz/inova.jor

Como a Embrapii quer melhorar a competitividade da indústria

Quando foi criada, em 2013, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) foi comparada à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A atuação delas, no entanto, é bastante diferente. A Embrapa foi responsável por tornar o cerrado brasileiro agricultável e, consequentemente, transformar o Brasil numa potência agrícola mundial. As tecnologias[…]

Leia mais »
O setor de tecnologia da informação só perde para o financeiro na ocupação de escritórios em São Paulo / Renato Cruz/inova.jor

Setor de tecnologia é o segundo na ocupação de escritórios

As empresas de tecnologia da informação estão em segundo lugar na ocupação de escritórios em São Paulo, segundo pesquisa da SiiLA Brasil. No fim do segundo trimestre, eram 309,8 mil metros quadrados ocupados, o que corresponde a 7% dos espaços monitorados pela plataforma de dados do mercado de imóveis comerciais[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami