inova.jor

inova.jor

Para quem quer dar adeus às chaves

Fechaduras inteligentes dispensam uso de chaves / SloW/Creative Commons
Fechaduras inteligentes dispensam uso de chaves / SloW/Creative Commons

Você precisa de uma fechadura de porta mais inteligente? Muitas empresas apostam que sim. Uma delas é a americana Latch, criada por Luke Schoenfelder e Thomas Meyerhoffer, ex-funcionários da Apple. A fechadura pode ser acionada por meio de um aplicativo no smartphone. Se faltar bateria ou der pane no celular, é possível destravar a porta digitando códigos numa tela sensível ao toque disponível na fechadura. Em último caso, dá até para usar uma chave de verdade.

Segundo o TechCrunch, a Latch anunciou hoje ter levantado US$ 10,5 milhões numa rodada de investimento liderada pela Lux Capital. A expectativa da empresa é colocar o produto no mercado até o fim do ano. Entre seus investidores estratégicos estão grandes construtoras, os principais clientes que a empresa planeja buscar.

Existem outras empresas com projetos semelhantes. O Bolt, da Lockitron, é uma fechadura eletrônica controlada por aplicativo, que pode ser encomendada por US$ 99. A Kisi oferece um sistema de controle de portas para empresas, acionado também pelo smartphone.

Internet das coisas

O edifício inteligente, que inclui fechaduras digitais, faz parte da tendência chamada de internet das coisas, que prevê que cada vez mais objetos serão conectados. Somente no Brasil, a consultoria IDC estima que a internet das coisas movimentará US$ 4,1 bilhões neste ano.

O crescimento dessa tendência, no entanto, traz preocupações a respeito da privacidade. James Clapper, diretor de Inteligência Nacional dos Estados Unidos, admitiu, em depoimento ao Senado norte-americano, que a internet das coisas pode ser usada para espionagem.

“No futuro, os serviços de inteligência podem usá-la para identificação, vigilância, monitoramento, rastreamento de localização e identificação para recrutamento, ou para ganhar acesso a redes e credenciais do usuário”, afirmou Clapper, segundo o jornal britânico The Guardian.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A startup argentina Nuvem Shop mira no e-commerce para empreendedor por necessidade do Brasil / Divulgação

Startups apostam no crescimento do comércio eletrônico

O comércio eletrônico tem crescido a passos largos no País. Com a crise econômica, empreendedores por necessidade têm apostado na internet para fazer negócios. Somente em 2015, 39,1 milhões de pessoas compraram online, totalizando 106,5 milhões de pedidos, segundo pesquisa da Ebit. Os valores do ano passado ainda não foram divulgados, mas a estimativa[…]

Leia mais »

Como Marvin Minsky criou a máquina mais inútil do mundo

Marvin Minsky, pioneiro da inteligência artificial, morreu no domingo, aos 88 anos. O professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) acreditava que a mente humana e o computador funcionavam da mesma forma. Para ele, não existe um ingrediente especial, como consciência, senciência, espírito ou alma, que nos torne diferentes das máquinas. Minsky[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami