inova.jor

inova.jor

Do bitcoin para as bolsas de valores

A tecnologia blockchain dispensa o uso de câmaras de compensação / 401kcalculator.org/Creative Commons
A tecnologia blockchain dispensa o uso de câmaras de compensação / 401kcalculator.org/Creative Commons

O blockchain, tecnologia por trás da moeda virtual bitcoin, é a aposta de grandes instituições financeiras para combater fraudes e reduzir o custo das transações.

Nos Estados Unidos, a Depository Trust & Clearing Corporation (DTCC), entidade responsável pelo sistema de compensações das bolsas, convocou toda a indústria para criar um padrão baseado no blockchain.

Na Europa, a International Securities Association For Institutional Trade (ISITC), associação do setor de serviços financeiros, fez em Londres a primeira reunião do Grupo de Trabalho sobre Blockchain, para discutir seu potencial principalmente para pagamentos e câmbio.

Mas qual é a vantagem do blockchain? A tecnologia funciona como um livro de registros e acaba com a necessidade de uma autoridade central, como uma câmara de compensação.

No lugar de serem armazenadas num único servidor, as transações eletrônicas são registrados em milhares de computadores pelo mundo, chamados “nodes”. Isso protege o sistema de fraudes, pois todos esses registros estão sempre sincronizados.

Para o usuário, as taxas tendem a ser menores. As instituições financeiras apostam em corte de gastos, com uma redução projetada de US$ 20 bilhões anuais em despesas com infraestrutura em 2022.

“A indústria tem uma oportunidade única para reinventar e modernizar sua infraestrutura e resolver desafios operacionais de longa data”, disse à Wired o presidente da DTCC, Michael Bodson.

Corrida pelo blockchain

Nesta semana, a empresa Overstock.com recebeu aval da Securities and Exchange Commission (SEC), comissão de valores mobiliários norte-americana, para emitir ações usando o blockchain, o que precedente para novas empresas fazerem o mesmo.

A bolsa eletrônica Nasdaq já anunciou que adotará um sistema baseado no blockchain para registrar transações com ações de empresas de capital fechado.

O Tesouro do Reino Unido também vê com bons olhos o uso da tecnologia. Os serviços financeiros respondem por 12% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2 trilhões de libras do Reino Unido. Desse total, as chamadas “fintechs”, empresas de tecnologia que atuam no setor financeiro, geram 20 bilhões de libras.

Para incentivar essa indústria, o Reino Unido apresentou à Comissão Europeia sugestões para apoiar as “fintechs”. Entre elas estão a mudança da legislação para evitar a restrição de crescimento e inovação em temas ligados à tecnologia, evitar o excesso de regulamentação sobre carteiras de moedas digitais e a regulamentação de transações de valores por meio do blockchain, para evitar lavagem de dinheiro.

Contraditoriamente ou não, a tecnologia que nasceu para proporcionar uma versão puramente “peer-to-peer” do dinheiro, sem a interferência de instituições financeiras ou de bancos centrais, tem atraído e fascinado cada vez mais os grandes atores da economia mundial.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O governo chinês considera a emissão de moedas virtuais uma ameaça à estabilidade da economia / Alexander Mueller/Creative Commons

Por que a China decidiu banir a emissão de moedas digitais

A emissão inicial de moedas digitais tem se tornado uma alternativa atraente para empresas atrás de financiamento. Hoje (4/9), porém, o banco central chinês anunciou a decisão proibir esse tipo de operação no país e de punir ilegalidades nas emissões já concluídas. Além disso, quem levantou dinheiro pela emissão de[…]

Leia mais »
Painel em evento da FGV discutiu as tendências tecnológicas e seu impacto no futuro do Brasil / Maria Cristina Gonçalves/Divulgação

Cinco tendências tecnológicas que revolucionam mercados

Passamos por um momento de transição. O smartphone, que modificou hábitos de consumidores e transformou mercados nos últimos anos, parece ter se tornado uma tecnologia madura. Os resultados de tendências com internet das coisas, big data e computação em nuvem apenas começam a aparecer. Ontem (30/11), participei do evento Temos Futuro?[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *