inova.jor

inova.jor

MWC2016: Quatro tendências que mostram para onde vão as comunicações

HTC demonstra seu sistema de realidade virtual Vive / Renato Cruz/Inova.jor
HTC demonstra seu sistema de realidade virtual Vive / Renato Cruz/Inova.jor

BARCELONA

O Mobile World Congress 2016, que aconteceu semana passada em Barcelona, mostrou quais são os planos da indústria de comunicações móveis para os próximos meses.

A seguir, quatro tendências importantes apresentadas no evento:

  1. Smartphones “suficientemente bons” – os celulares inteligentes, que foram destaque de edições anteriores, não trouxeram grandes novidades neste ano. Parece que a indústria chegou num momento em que mesmo aparelhos medianos são “suficientemente bons” para que os consumidores façam o que querem fazer, se não estiverem muito preocupados com performance. É claro que os smartphones de topo de linha trazem processadores mais rápido, mais memória, câmeras de melhor qualidade e design mais bonito, mas tudo é uma questão de grau. Faltou aquela funcionalidade matadora para convencer o consumidor a trocar o aparelho que comprou no ano passado.
  2. Realidade virtual e vídeo imersivo – Já que os smartphones não surpreenderam, os fabricantes acabaram dando ênfase a novas aplicações, como a realidade virtual. A Samsung e a LG lançaram câmeras 360º, para gravar vídeos imersivos. Mark Zuckerberg, do Facebook, promoveu a realidade virtual como o futuro das redes sociais. A HTC fez várias demonstrações com seus óculos Vive.
  3.  Internet das coisas – Em mais de um estande da feira de Barcelona era possível encontrar coleiras inteligentes para bichos de estimação. Um modelo tinha um luminoso com as informações de contato do dono, para caso o animal se perder na rua. Um problema do conceito “internet das coisas” é que ele é muito amplo, e abrange dispositivos que vão da coleira inteligente ao carro autônomo, do relógio inteligente aos sensores que ajudam na agricultura. Apesar do entusiasmo das empresas, ainda existem problemas de compatibilidade, que devem ser resolvidos nos próximos anos.
  4. Telefonia celular 5G – Não é o primeiro ano que os fornecedores de infraestrutura de redes demonstram a quinta geração da telefonia celular (5G), mas, desta vez, essa tecnologia passou a ser a principal atração nos estandes da indústria. A expectativa é que a padronização seja definida em 2019, mas isso não impede que as empresas lancem equipamentos “5G-ready” e que iniciem os testes da tecnologia pré-padrão, principalmente para banda larga fixa.

E quando tudo isso chega ao Brasil?

Os celulares têm sido lançado com pouco atraso, mas tecnologias que dependem de infraestrutura, como o 5G, tendem a demorar mais para estarem disponíveis por aqui.

A internet das coisas é uma oportunidade para a indústria brasileira, já que se trata de um mercado que ainda está no começo, e a realidade virtual, se realmente pegar desta vez, abre espaço até para produtores locais de audiovisual.

  • O jornalista viajou a convite da Samsung

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Hughes lança banda larga via satélite para residências

O Brasil será o primeiro país, depois dos Estados Unidos, a receber banda larga residencial por satélite oferecida pela Hughes. A aposta da empresa são regiões do país que não têm banda larga ou que são atendidas por serviços de baixa qualidade. A partir de 1.º de julho, consumidores e pequenos empresários[…]

Leia mais »

Por que o governo pode ter de intervir na Oi

A Oi, que se encontra num processo de recuperação judicial, pode sofrer intervenção do governo. Para isso, seria necessária a edição de uma medida provisória (MP), pois a legislação prevê a possibilidade de intervenção somente nas operações de telefonia fixa, que são objeto de concessão. “A lei só permite intervenção no sistema[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami