inova.jor

inova.jor

Saúde móvel pode se tornar a principal aplicação dos vestíveis

Cresce o uso de pulseiras inteligentes, para aplicações de saúde / Emily A. Stewart/Creative Commons
Cresce o uso de pulseiras inteligentes, para aplicações de saúde / Emily A. Stewart/Creative Commons

Os computadores vestíveis, como relógios inteligentes, já são tendência há alguns anos, mas a maioria das pessoas ainda não sabe muito bem o que fazer com eles.

Uma pesquisa da Accenture mostra que uma aplicação de sucesso é na área da saúde móvel, segundo a Business Insider. A consultoria ouviu mais de 8 mil consumidores em sete países.

Desse total, 33% reponderam que usavam aplicativos de saúde, comparados a 16% em 2014, e 21% adotavam vestíveis, como os produtos da Fitbit, frente a somente 9% há dois anos.

A pesquisa trouxe outros dados interessantes. Noventa por cento dos respondentes compartilhariam dados com médicos e hospitais, mas somente 63% aceitariam tornar suas informações disponíveis para empresas de seguros.

Novas funcionalidades

Em setembro de 2015, entrevistei o presidente mundial da Acer, Jason Chen. Para o executivo, a aplicação dos vestíveis à saúde vai se massificar quando os dispositivos ganharem novas funcionalidades, como a capacidade de medir a pressão e a taxa de glicose no sangue.

“Em até três anos, acho que teremos medição de pressão. A taxa de glicose deve demorar um pouco mais tempo. As pessoas realmente precisam disso”, disse Chen naquela ocasião.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Accenture acaba de inaugurar um Analytics Innovation Center no Rio / Divulgação

Accenture inaugura centro de inteligência analítica no Rio

A Accenture criou um centro de inovação em inteligência analítica no Rio de Janeiro. A empresa também opera Analytics Innovation Centers em Barcelona, Dublin, Atenas, Madri e Cingapura. O centro brasileiro conta com mais de 200 profissionais, incluindo cientistas, engenheiros e arquitetos de dados. Eles desenvolvem projetos de análise e utilização estratégica[…]

Leia mais »
O número de linhas com 3G cresceu 120% no último ano / Tony Alter / Creative Commons

Brasil perde 15,1 milhões de linhas móveis em 12 meses

O Brasil perdeu 15,1 milhões de linhas móveis no período de 12 meses encerrado em fevereiro, chegando a 242,9 milhões de linhas, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Dentre os quatro maiores grupos, apenas a Vivo apresentou um crescimento, com 654,2 mil novas linhas. TIM, Claro e Oi registraram quedas de[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami