inova.jor

inova.jor

Você está preparado para o fim da sala de aula?

Maioria dos estudantes online busca melhoras na carreira / Mary Smith/Creative Commons
Maioria dos estudantes online busca melhorar a carreira / Mary Smith/Creative Commons

A educação passa por uma transformação acelerada, trazida pela tecnologia. Além dos cursos à distância oferecidos diretamente pelas próprias instituições de ensino, plataformas como Khan Academy Coursera ajudam a democratizar o conhecimento, levando cursos a um público que não tem tempo para aulas presenciais ou que mora longe dos locais que oferecem ensino de qualidade.

A Coursera busca parcerias com universidades de primeira linha nos países em que atua. A empresa oferece cursos online da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e Insper.

“A maioria dos brasileiros que entram na Coursera quer aperfeiçoar sua carreira”, afirma Carlos Pessoa, gerente geral da empresa para América Latina. No mundo, 51% apontam essa como a principal razão para fazer cursos online. Por aqui, esse porcentual sobe para 61%. O interesse do restante dos alunos é acadêmico.

Os usuários podem acompanhar os cursos de graça, mas pagam se quiserem fazer avaliação e receber um certificado. A Coursera e a universidade são remunerados pelos alunos pagantes.

Por exemplo, o curso de “Programação Java e Desenvolvimento Ágil“, oferecido pelo ITA na Coursera, tem sete módulos e um projeto final, e custa US$ 208, por exemplo.

O Brasil é o quarto mercado para a Coursera, depois de Estados Unidos, China e Índia. A plataforma tem mais de 800 mil alunos no Brasil, com 62 cursos em português brasileiro ou legendados em português brasileiro, e mais 27 em português europeu.  “Os latino-americanos preferem cursos no idioma nativo”, afirma Pessoa.

Assim como em outros países da América Latina, o Brasil tem um problema de infraestrutura de banda larga, que dificulta o desenvolvimento da educação à distância no País. Para contornar essa barreira, os usuários da Coursera podem baixar as aulas no aplicativo do smartphone ou do tablet.

A Coursera oferece principalmente cursos livres, apesar de algumas universidades aceitá-los como créditos. A empresa começou recentemente a oferecer pós-graduação com um MBA completo em parceria com a Universidade de Illinois.

Como ser um aluno online

Carlos Pessoa faz algumas recomendações para quem quiser fazer um curso online e não desistir:

  1. Comece a se acostumar com o ensino online com um curso mais leve e de carga horária menor. O curso em que tem interesse profissional ou acadêmico pode ficar para uma segunda etapa.
  2. Convide um amigo para fazer o mesmo curso, com quem possa conversar sobre o conteúdo e que o incentive a cursá-lo até o fim.
  3. Copie as aulas no tablet ou no celular, para aproveitar bem o tempo e estudar mesmo sem sinal de internet.
  4. Acompanhe pelo menos uma semana de aulas, para então decidir se realmente tem interesse no curso.

O executivo deu uma última dica, que também faz bastante sentido para a Coursera: “Quem decide pagar pelo curso tem menos chance de desistir dele”.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Motorista do Uber em Bogotá

‘Unicórnios’ são cada vez mais comuns no setor de tecnologia

Startups de tecnologia com capital fechado e valor de mercado maior do que US$ 1 bilhão costumavam ser chamadas de “unicórnios”, por causa de sua raridade. Nos últimos anos, as companhias iniciantes têm adiado cada vez mais sua primeira oferta de ações, o que fez com que o total de “unicórnios”[…]

Leia mais »
Marketplaces, com destaque para o Mercado Livre, tiveram crescimento de 27% no ano passado / Renato Cruz/inova.jor

Comércio eletrônico brasileiro deve crescer 12% neste ano

O comércio eletrônico brasileiro deve crescer 12% neste ano, somando R$ 53,5 bilhões, segundo a 37ª edição do relatório Webshoppers, da Ebit. O total de consumidores virtuais deve chegar a 60 milhões, comparados a 55 milhões em 2017. No ano passado, as mulheres fizeram 1,4 milhão de pedidos a mais[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *