inova.jor

inova.jor

Quem ainda precisa comprar um carro

Aluguel do carro pode sair de graça, dependendo do número de viagens / Domínio Público
Aluguel do carro pode sair de graça, dependendo do número de viagens / Domínio Público

A combinação de carros autônomos com serviços como Uber e Lyft pode tornar obsoleta a ideia de comprar um automóvel. Enquanto os veículos sem motorista não chegam ao mercado, as montadoras vão se preparando para esse cenário.

Ontem, a General Motors anunciou nos Estados Unidos a oferta de aluguel de carros para motoristas do Lyft, concorrente do Uber. Dependendo do número de corridas semanais, o automóvel pode sair de graça.

O programa Express Drive começou em Chicago, com 125 carros do modelo Chevy Equinox. A GM tem planos de expandir a iniciativa para mais três cidades norte-americanas: Baltimore, Boston e Washington.

John Zimmer, cofundador do Lyft, afirmou que, somente em Chicago, 60 mil pessoas se inscreveram como motoristas do Lyft, mas foram rejeitadas por não ter um carro bom o suficiente, segundo o TechCrunch.

O Express Drive oferece o carro por US$ 99 por semana, mais US$ 0,20 por milha, para quem faz menos de 40 corridas semanais; por US$ 99, sem pagamento adicional, para que faz de 40 a 64 corridas; e de graça para que faz 65 corridas ou mais.

A GM será responsável pelo custo de manutenção dos veículos, e o pagamento do seguro será dividido com o Lyft.  Não haverá compartilhamento de receita das corridas, de acordo com o Business Insider.

Há dois meses, a montadora investiu US$ 500 milhões no aplicativo de motoristas, principalmente como preparação para a chegada dos carros autônomos.

Mobilidade

Durante o evento Mobile World Congress, que aconteceu em fevereiro em Barcelona, o presidente da Ford, Mark Fields, afirmou que sua empresa passou a ser uma empresa de “automóveis e mobilidade”.

A Ford opera em Londres o serviço GoDrive, em que oferece carros alugados por minuto. O programa Peer-2-Peer permite a pessoas que estejam pagando financiamento alugar o carro para terceiros.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”). Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami