inova.jor

inova.jor

O que o Final Fantasy XV diz sobre o futuro dos games

Edição especial do Audi R8 aparece no Final Fantasy XV / Reprodução
Edição especial do Audi R8 aparece no Final Fantasy XV / Reprodução

Durante evento realizado ontem (30/3) em Los Angeles, a Square Enix revelou que o Final Fantasy XV será lançado mundialmente em 30 de setembro. A empresa e seus parceiros também anunciaram uma série de projetos de grande escala que compõem o universo do game.

Está prevista uma animação chamada Kingslaiveum anime de cinco episódios a ser lançada no YouTube, edições especiais do jogo para colecionadores; e uma série de minijogos chamada Justice Monsters Five, com versões para Android, iOS e Windows 10. Além disso, foi disponibilizado um jogo de demonstração, que serve como introdução e mostra a infância do personagem Noctis.

A empresa fechou uma parceria com o fabricante de carros Audi para a produção de uma edição especial do Audi R8, que aparece no jogo. Ainda não há informações se o modelo será comercializado pela montadora. A música tema do jogo é uma versão do clássico “Stand by me” cantada pela banda Florence + The Machine.

O Final Fantasy XV levou 10 anos para ser desenvolvido e, na tentativa de recuperar todo o investimento feito, a Square Enix aposta em todos esses projetos para manter os fãs interessados até o lançamento do jogo. É também esperado que os jogos móveis e o filme Kingsglaive sejam um ponto de captação de novos fãs, uma vez que eles foram planejados para que mais pessoas conheçam o universo de Final Fantasy em diferentes plataformas.

A empresa avalia se há espaço para fazer outro jogo da série se as vendas de Final Fantasy XV não forem boas. Um caminho mais seguro seria lançar jogos em plataformas móveis.

A mobilidade é uma tendência forte do mercado de jogos. A Nintendo lançou hoje seu primeiro jogo para smartphones chamado Miitomo, uma mistura de rede social com simulador estilo Sims. A empresa também iniciou uma fase de testes beta no Japão para o Pokémon Go, game com o objetivo de capturar os personagens no mundo real, criado para iOS e Android.

A pesquisa Game Brasil 2016, realizada em parceria entre a empresa de conteúdo Sioux, a faculdade ESPM e a agência Blend, mostra a importância dos jogos móveis para o mercado brasileiro. Hoje, 77,2% do público jogam em smartphones, enquanto 58,6% utilizam um console para jogar. O celular é a plataforma preferida de 34,4% do público, seguido pelo computador com 30,1% e o console com 29,9%.

Pesquisa Games Brasil 2016 / Divulgação
Fonte: Games Brasil 2016

O estudo aponta que a facilidade de acesso em todos os momentos transformam os jogos móveis na melhor opção. Um total de 87,6% dos entrevistados jogam em smartphones quando estão em trânsito, 74,5% no trabalho e 54,6% em casa.

Desafios

De acordo com a Game Brasil 2016, mais de 78% do público baixam apenas jogos gratuitos. Metade dos entrevistados não pagam pelos jogos, pois sempre encontram versões semelhantes gratuitas, e 37% acham caros os jogos móveis. Isso mostra que a indústria de games móveis sobrevive de uma pequena parcela de jogadores que consideram superior a qualidade dos jogos pagos.

Uma saída para essa situação seria investir em modelos freemium, em que são cobradas dos jogadores funcionalidades adicionais, e em modelos baseados em publicidade. De acordo com o estudo, 68,2% dos entrevistados aceitam baixar um jogo que tenha publicidade, apesar de a grande maioria achar que os anúncios atrapalham.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mike Gregoire, da CA Technologies, afirma que empresa precisam atualmente ser 'feitas para mudar' / Renato Cruz/inova.jor

CA: ‘Toda empresa é uma empresa de software’

LAS VEGAS O relacionamento de uma empresa com seus clientes e fornecedores está cada vez mais digital. Por causa disso, os processos internos da companhia também precisam estar integrados via software. “Estamos no amanhecer da quarta revolução industrial, que é movida a software”, afirmou Mike Gregoire, presidente executivo da CA[…]

Leia mais »
Geotecnologias: A Agrotools quer oferecer serviços em nuvem ao pequeno produtor / Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Creative Commons

Como as geotecnologias ajudam o agronegócio

Quando estava à frente da Intel Brasil, no ano passado, Fernando Martins anunciou a criação, em parceria com a Jacto, do Centro de Inovação no Agronegócio (CIAg), para aplicar conceitos de big data e internet das coisas ao setor. Martins acaba de assumir a presidência da AgroTools, uma empresa brasileira de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami