inova.jor

inova.jor

Por que sua cidade precisa de um sistema operacional

O sistema foi criado pelos alunos de tecnologia da PUC-RS. Foto: Mariana Lima
Alunos de tecnologia da PUCRS desenvolvem sistema operacional para cidades / Mariana Lima/inova.jor

PORTO ALEGRE

Imagine um sistema operacional como Windows, Linux, Android ou iOS implementado na sua cidade, transformando-a num ambiente de serviços públicos totalmente conectados. Esse modelo aparentemente futurista é o que a PUCRS pretende criar nos próximos anos em Porto Alegre.

O conceito de sistema operacional de cidade já está sendo implementado por alunos de tecnologia da PUCRS. O desenvolvimento fica por parte dos estudantes de graduação e mestrado, com auxílio de empresas locais e internacionais.

Lançado na semana passada, o Centro de Inovação para Smart City e IoT, localizado num dos prédios do Tecnopuc, em Porto Alegre, implementará dois protótipos nos próximos meses. Em parceria com a gigante chinesa Huawei, o campus universitário terá um novo modelo de iluminação e segurança.

“Teremos um espaço pequeno num primeiro momento, mas depois será implementado em todo o Campus e, posteriormente, numa região da cidade”, afirmou Anderson Tomaiz, gerente sênior de soluções da Huawei Enterprise.

A iluminação contará com lâmpadas de led controladas à distância por meio de software. Com poucos cliques, será possível ligar ou desligar as luzes ou ainda definir a intensidade da iluminação de acordo com a necessidade do ambiente. O software disponibiliza ainda um relatório sobre as condições de uso e necessidade de troca de lâmpadas.

Mais segurança

A segurança do campus também passará por reformas. Os atuais rádios usados pelos vigilantes serão substituídos por novos modelos da Hauwei, com câmeras e telas, capazes de gravar, transmitir e receber imagens em tempo real.

“Esse serviço é ótimo em casos de furto. Uma câmera de vigilância pode detectar o crime sendo praticado e acionar o vigilante mais próximo por meio do dispositivo móvel. Uma foto com o rosto do suspeito pode ser enviado para o dispositivo do vigilante, que poderá agir com maior velocidade e precisão. Esse sistema pode ser expandido para organizações maiores como a segurança pública”, afirmou Tomaiz.

Os protótipos serão conectados em tempo real a uma central operacional, que avaliará os resultados das pesquisas.

  • A jornalista viajou a convite da Huawei

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Hospitais apostam em acompanhamento remoto do paciente

Rio de Janeiro Ir ao hospital para fazer tratamentos básicos de saúde pode se tornar algo raro nos próximos anos. O conceito de “at-home hospital care” (assistência hospitalar no domicílio) é uma das apostas de modernização do setor de saúde. Em sistemas at-home, apenas tratamentos de doenças agudas são feitos no[…]

Leia mais »

Como a internet das coisas vai mudar sua empresa

A internet das coisas (IoT, da sigla em inglês) deve revolucionar as organizações brasileiras num prazo de três a cinco a anos. A expectativa é do próprio empresariado brasileiro, que planeja aumentar investimentos na tecnologia. Os dados fazem parte de um estudo realizado pela IBM, baseado em entrevistas com executivos de empresas de todo[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami