inova.jor

inova.jor

Qual é o espaço de que você precisa para viver?

Andrew Morrison é um dos líderes do Tiny House Movement / Renato Cruz/inova.jor
Andrew Morrison é um dos líderes do Tiny House Movement / Renato Cruz/inova.jor

Andrew Morrison vive com a esposa Gabriella numa casa de 19 metros quadrados no Estado de Oregon, nos Estados Unidos. Ele é um dos líderes do Tiny House Movement (movimento de casas pequenas), e participou hoje (12/4) do evento Summit Imobiliário 2016, em São Paulo.

“Muita gente acha que diminuir o consumismo é uma consequência da se morar numa casa pequena, quando é a verdadeira força condutora dessa escolha”, afirma Morrisson. “Minha família passou por um processo de quebrar a conexão emocional com as coisas que tínhamos. Não podemos deixar que as coisas sejam donas de nós.”

Quem vive numa casa pequena precisa escolher com cuidado quais são suas posses, limitando-as ao que é realmente necessário. “É uma experiência muito agradável e muito libertadora”, explica.

Por duas décadas, Morrison trabalhou como construtor de casas convencionais. Desde 2004 promove o Tiny House Movement. Ele explicou que o movimento tem crescido bastante nos EUA, principalmente depois da crise de 2008.

Andrew e Gabriella Morrison têm dois filhos adolescentes.

Independência financeira

Em sua palestra, o construtor enumerou algumas vantagens de se morar numa casa pequena, além da redução do consumismo:

  • ter todas as necessidades atendidas num espaço menor;
  • gastar pouco na compra da residência, sem a necessidade de pagar um financiamento;
  • conquistar independência financeira para outras atividades, como viajar;
  • sentir orgulho de ser dono da própria casa.

Morrison construiu sua casa sobre rodas em quatro meses, e gastou cerca de US$ 33 mil. Ela foi montada sobre uma base de trailer, e tem rodas.

O Tiny House Moviment propõe que os norte-americanos troquem suas casas de 250 metros quadrados por imóveis com um décimo do tamanho.

No vídeo abaixo, Morrison mostra como é sua casa por dentro.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cintia Barcelos reconhece o desafio de aumentar a representatividade feminina em exatas / Divulgação

IBM Brasil tem sua primeira mulher ‘distinguished engineer’

Cintia Barcelos conquistou o título de distinguished engineer (engenheira distinta) na IBM Brasil. Funcionária da empresa há 24 anos, é a primeira mulher na IBM América Latina a ocupar essa função. Além do vasto conhecimento técnico, o título reconhece a capacidade de influenciar o desenvolvimento de produtos da empresa, de[…]

Leia mais »
A etapa latino-americana da CodeVita, campeonato de programação da TCS, será em novembro / dawolf-/Creative Commons

TCS abre inscrições para campeonato de programação

A Tata Consultancy Services (TCS) abriu as inscrições para a CodeVita 2017, competição mundial de programação. Os interessados podem se inscrever até 5 de novembro. Voltado para estudantes de graduação e pós-graduação em engenharia e ciências de todo mundo, o campeonato tem mais de 200 mil participantes todos os anos.[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami