inova.jor

inova.jor

Como a internet das coisas cria oportunidades para a indústria brasileira

O setor elétrico oferece grandes oportunidades em internet das coisas / Alexandre Ruoso/Creative Commons
O setor elétrico oferece grandes oportunidades em internet das coisas / Alexandre Ruoso/Creative Commons

A Kron é uma fabricante brasileira de medidores de energia. Em parceria com a Telit, desenvolveu uma solução chamada Konect, que permite a leitura em tempo real das informações, permitindo que empresas estimem os gastos de eletricidade, água ou gás antes do fim do mês e consigam reduzir suas contas.

Não se trata de um medidor usado pela concessionária de energia, mas pelos clientes dela. O Konect também possibilita medir os gastos em serviços públicos dos diferentes setores de uma empresa, para calcular custos, ou de diferentes lojas num shopping center.

Computação em nuvem

A Kron integrou seu medidor a um serviço de computação em nuvem da Telit, que armazena e analisa as informações. Esse é somente um exemplo das oportunidades que existem para empresas brasileiras no mercado de internet das coisas. Recentemente, escrevi também sobre a Stara, que criou um trator conectado.

“O medidor já estava desenvolvido e a integração com o serviço de nuvem levou menos de um mês”, afirma Ricardo Buranello, vice-presidente da Telit para a América Latina. “O mercado de internet das coisas foi um dos poucos não impactados pela crise.”

A Kron espera faturar cerca de R$ 5 milhões neste ano com a venda do Konect no Brasil, além de buscar oportunidades com seus distribuidores em outros países da América Latina. Sediada em Londres, a Telit fabrica módulos de comunicação e oferece serviços para que seus parceiros criem soluções de internet das coisas.

“O Konect é o primeiro produto de uma família que vai estar na nuvem”, diz Roberto Bedicks, presidente da Kron. Com 62 anos de existência, a Kron tem 65 funcionários e faturou R$ 23 milhões em 2015.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mark Hurd, da Oracle, aposta na nuvem para garantir o crescimento / Renato Cruz/inova.jor

‘A nuvem é mais segura’, diz Mark Hurd, da Oracle

Mark Hurd, presidente mundial da Oracle, considera mais seguro uma empresa contratar seu sistema de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) na nuvem do que instalá-lo num servidor próprio. “Normalmente, uma empresa tem computadores de vários fabricantes, tem nosso banco de dados e de outros fornecedores, tem de administrar[…]

Leia mais »

Como a tecnologia muda o mercado de vídeo

As grandes empresas de vídeo – incluindo as que prestam serviço via internet – precisarão ser transversais e atuar em diferentes áreas para se manter no mercado na próxima década. A afirmação faz parte de um estudo sobre uma série de tendências e perspectivas do mercado de vídeo no Brasil e no[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami