inova.jor

inova.jor

Investidores apostam em startups de educação

Educação: Rodrigo Salvador quer levar o Passeidireto.com para outros países / Divulgação
Rodrigo Salvador quer levar o Passeidireto.com para outros países / Divulgação

Apesar da crise econômica, startups brasileiras que atuam no mercado de educação tem despertado o interesse de grandes grupos do setor.

No mês passado, o Passeidireto.com, rede social em que universitários compartilham materiais de estudo, anunciou mais uma rodada de investimentos.

A Chegg, empresa americana de educação, liderou um grupo de investidores que aportou R$ 23 milhões na startup brasileira. Também participaram a Bozano Investimentos, Redpoint e.ventures e Valor Capital.

O investimento chegou num momento especial do Passeidireto.com, que começa a lançar produtos pagos. O primeiro deles se chama Exercícios Resolvidos, com respostas passo a passo para 42 dos mais populares livros didáticos de disciplinas como matemática, física, cálculo, química e contabilidade. A assinatura mensal custa R$ 14,90 e a anual R$ 10,90 por mês.

“Um terço dos alunos estudam direto os exercícios e nem se preocupam com a teoria”, afirma Rodrigo Salvador, presidente e cofundador do Passeidireto.com. O serviço é oferecido nos Estados Unidos pela Chegg, com o nome Textbook Solutions.

A rodada de investimentos deste ano é a terceira da história do Passeidireto.com. A empresa já havia levantado R$ 550 mil em 2012 e R$ 4,2 milhões em 2013.

Atualmente, o Passeidireto.com tem 6 milhões de usuários, sendo que entre 4,5 milhões e 5 milhões são realmente estudantes universitários. “Outro público que usa o Passeidireto.com são pessoas que prestam concursos”, explica Salvador.

Como existem cerca de 7 milhões de universitários no País, o Passeidireto.com precisa buscar novos mercados na área de educação para continuar a crescer. Segundo seu presidente, o plano é expandir as operações internacionalmente a partir do ano que vem.

Ensino adaptativo

Em outubro do ano passado, a Kroton, maior grupo brasileiro de educação, comprou a startup Studiare por R$ 4,1 milhões. As empresas já eram parceiras, em projetos como Desafio Nota Máxima e Trilha do Enem.

Especializada em ensino adaptativo, a Studiare oferece ferramentas de aprendizado via internet que se adaptam ao nível de conhecimento dos alunos.

“A tecnologia também vai nos ajudar no reforço de português e matemática para estudantes do ensino superior”, afirma Paulo de Tarso, vice-presidente de inovação e negócios da Kroton.

Segundo o executivo, entre os principais motivos de evasão estão deficiências nessas disciplinas básicas, que impedem os alunos de acompanharem cursos superiores.

“A Studiare é um bom case de aquisição de competência que a gente não não tinha”, afirma Tarso. Com sede no Rio, a Studiare emprega seis pessoas, incluindo os dois fundadores.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

'Os estudantes estão desestimulados', afirma Eve Psalti, da Microsoft / Divulgação

‘As escolas formam estudantes para as carreiras erradas’

A tecnologia é uma ferramenta importante para recuperar o interesse dos estudantes e atualizar a escola para que ela volte a cumprir o seu papel. Mas somente tecnologia não basta. Nascida na Grécia, Eve Psalti, diretora global de programas educacionais da Microsoft, participou na semana passada do evento Bett Educar, em São[…]

Leia mais »
Programa de aceleração da Startup Farm com a Visa atenderá sete fintechs / Divulgação

Qual é a estratégia da Visa para se aproximar de startups

Sete startups com soluções focadas no mercado financeiro iniciam o processo de aceleração ahead Visa a partir de janeiro. O programa é fruto da parceria entre Startup Farm e a Visa e pode trazer investimentos de até R$ 1 milhão para cada fintech. Durante três meses, as startups Banco de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami