inova.jor

inova.jor

Brasil é destaque mundial em pesquisa sobre cosméticos

A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons
A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons

A Thomson Reuters divulgou hoje (11/5) seu relatório State of Innovation 2016, e o Brasil foi destaque mundial na pesquisa científica relacionada a cosméticos.

A Universidade de São Paulo (USP) ficou em primeiro lugar e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em oitavo no ranking de produção científica dessa área.

“Isso talvez não seja uma grande surpresa já que o Brasil também está entre os cinco países do mundo com maior número de cirurgias plásticas estéticas realizadas anualmente”, destacou o relatório.

Nas pesquisas sobre cosméticos, a USP ficou à frente da Food and Drug Administration (FDA), agência norte-americana responsável por alimentos e remédios; da Procter & Gamble; e da Universidade Harvard.
Instituições mais produtivas na pesquisa científica sobre cosméticos

Inovação no mundo

A sétima edição do estudo anual da Thomson Reuters analisou indicadores como depósitos de patentes e publicações científicas em 12 áreas.

O volume mundial de patentes cresceu 13,7% em 2015, enquanto o de novas pesquisas científicas caiu 19%. A queda na produção científica pode representar uma ameaça ao crescimento da inovação nos próximos anos.

Os setores que apresentaram maior crescimento no registro de patentes foram:

  • Dispositivos médicos (27%);
  • Eletrodomésticos (21%); 
  • Aeroespacial e defesa (15%); 
  • Petróleo e gás (14%); e 
  • Tecnologia da informação (13%).

A área de biotecnologia foi a única que caiu na produção de patentes, com retração de 2% sobre 2014.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Samsung oferece curso de programação para internet das coisas

A Samsung em parceria com o Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI Tec) um curso de programação para internet das coisas (IoT). O projeto prevê ensino de programação, eletrônica básica, robótica e desenvolvimento de aplicativos Android. E faz parte do Tech Institute, programa da empresa sul-coreana de formação técnica por[…]

Leia mais »
Olimpíada: Sistemas eletrônicos do Rio podem ser infectados, alerta especialista / Allan Grey/Creative Commons

‘Risco de ataque digital à Olimpíada é real’

Segurança é prioridade para organizadores e participantes da Olimpíada deste ano, no Rio de Janeiro. Tom Patterson, vice-presidente de soluções em segurança globais da Unisys, alerta que, além de garantir a segurança física do evento, o Brasil precisa estar atento a riscos de ataques cibernéticos de grandes dimensões. Patterson tem larga experiência em segurança cibernética.[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami