inova.jor

inova.jor

‘A educação online é a salvação da América Latina’

Educação: Dispositivos móveis são uma aposta da D2L / Enric Fradera/Creative Commons
Dispositivos móveis são uma aposta da D2L / Enric Fradera/Creative Commons

A educação a distância substituirá a educação tradicional em alguns anos? É possível ter uma boa formação sem encontrar pessoalmente o professor? Até onde vai o uso da tecnologia para adquirir conhecimento?

Essas são apenas algumas das questões que surgem com a aplicação crescente da tecnologia à educação, e o mercado deve receber um forte impacto nos próximos anos.

É o que pensa Juan Lucca, vice-presidente de vendas para a América Latina da D2L, empresa criada no Canadá que fornece plataformas de educação a distância.

A D2L chegou ao Brasil há quatro anos e tem entre seus clientes instituições de ensino como a Fundação Getúlio Vargas e a Unigranrio.

A seguir, confira trechos da entrevista sobre os desafios da educação a distância.

A educação a distância tem crescido na América Latina?

Sim, e existe uma razão fundamental para isso. Há uma diferença muito grande na dinâmica da educação da América Latina e da América do Norte e Europa. Basicamente, o que acontece aqui é que a demanda pela educação é muito maior que a oferta. Tem muito mais pessoas querendo ir para escola que escola que ofereça bons cursos e bons professores. E, por causa disso, nos anos 1990 e início de 2000 houve uma grande explosão do que chamamos de “universidade de garagem”.

Como assim?

O que acontece em qualquer mercado quando a demanda é muito maior que a oferta? A qualidade da oferta sofre. Foi o que aconteceu na América Latina. A qualidade da educação não é boa por conta dessas universidades que surgiram para suprir a demanda.

O que a educação a distância pode melhorar nesse aspecto?

A educação a distância pode dar boa educação ao diminuir a lacuna entre demanda e oferta. Com uma boa parceria com instituições certas, conseguimos dar boa educação, expandir esses programas para pessoas que não têm chances de conseguir se educar de forma tradicional. Porque, na realidade, a tecnologia é só o facilitador, a educação de qualidade é de responsabilidade da instituição, dos professores e da pedagogia adotada.

Quais são as consequências disso?

Dar uma educação melhor para a população ajudará a desenvolver profissionais melhores. A América Latina está crescendo muito rápido nos últimos anos e eu acredito que Brasil e Colômbia serão os dois países que mais ganharão com a educação a distância na América Latina.

As empresas brasileiras têm usado as plataformas de educação a distância?

Sim. A iniciativa é muito interessante, porque tipicamente as empresas têm usado educação como complemento a políticas e procedimentos, mas, nos últimos 10 anos, a base da economia mudou bastante. Elas perceberam que precisavam usar a educação para se tornarem mais competitivas, não mais como um complemento de uma atividade interna. Essa consciência despertou um novo desafio de transformar os profissionais em alunos, colocando-os numa sala de um curso por uma semana, por exemplo, mas isso custa muito dinheiro. É nesse cenário que a educação a distância se torna um benefício valioso para eles tanto em questão de custos, pois fica muito mais barato, quanto de tempo, pois o profissional pode definir o melhor horário para estudar. É uma solução que cresce rápido globalmente. As empresas tem entendido que o treinamento ganhou importância agora e que há um jeito de fazê-lo de forma efetiva, com custo baixo e de forma bem pessoal.

O senhor acha que os brasileiros confiam na educação a distância?

Não é uma questão só dos brasileiros, é global. Pessoalmente, acredito que a educação é um meio de transformação. A indústria musical, por exemplo, mudou muito nos últimos anos. Os artistas continuam tocando e compondo do mesmo jeito, mas o que realmente mudou é como as pessoas compram música. No meu tempo, se eu gostasse de uma música, teria de comprar todo o LP. Com a tecnologia, posso comprar só a música que eu quero, mas se alguém dissesse isso há 10 ou 15 anos acharíamos que seria mentira e que isso nunca aconteceria. A indústria de música mudou porque o comportamento do consumidor mudou. Eu acho que vai acontecer a mesma coisa com a educação.

Como o senhor acha que isso vai acontecer?

Temos o jeito tradicional, de ir a universidade e cursar quatro ou cinco anos e então ir para o mercado de trabalho para tentar encontrar um emprego. Acho que a tecnologia possibilitará no futuro escolher exatamente o que se quer aprender. Então, será possível decidir não fazer um curso de cinco anos e terminar antes, em seis meses. Ou então aprender outras coisas que não são necessariamente do curso, como macroeconomia, ou pegar aulas de outra universidade, para complementar o curso nesse programa. Acho que a tecnologia será a ferramenta para um novo sistema de educação, em que pessoas realmente vão desenvolver suas competências. Porque uma das coisas que vemos globalmente e que acontece muito nos Estados Unidos são jovens que não têm dinheiro para pagar uma faculdade e têm de procurar emprego sem as competências que o mercado pede. Com esse novo jeito que a tecnologia proporciona, mais pessoas poderão desenvolver essas competências que o mercado pede e encontrar trabalhos melhores.

A educação presencial tem anos de história e de pesquisa. Como enfrentar essa cultura?

Acho que isso não vai mudar. Apenas vai se tornar mais prático. A educação a distância pode ser usada numa sala de aula presencial, combinada a modelos tradicionais ou totalmente online. A tecnologia já tem um espaço na educação tradicional. Acredito que ela vem para acrescentar, dar essa educação de competências que podem ser personalizadas a cada aluno. É fato, os estudantes mudaram muito nos últimos 20 anos. Antes, todos iam para universidade, passavam cinco anos estudando e se formavam com os amigos na mesma idade. Hoje 28% dos estudantes têm essa vida, enquanto 72% são pessoas que trabalham, têm altas responsabilidades durante o dia e precisam do desenvolvimento de competências bem específicas. Se entendermos a mudança que acontece nos estudantes, nós entender o porquê de a educação ter de ser mais pessoal e acontecer de maneiras diferentes.

O senhor pode dar um exemplo?

Dificilmente uma mãe que tem de trabalhar conseguirá terminar um curso universitário em quatro anos. E assim é possível dar a ela uma forma dela aprender no seu tempo livre e do melhor jeito possível. Tem gente que é mais visual, é melhor em vídeos, tem gente que gosta de ler muito, então a educação vai se adaptar à forma de conhecer de cada um. Podemos fazer um pequeno teste sobre alguém e imediatamente identificar quais competências essa pessoa pode desenvolver. Ela vai confirmar o interesse nessas competências, criamos a melhor forma de ela aprender isso e o conteúdo será adaptado de acordo com o que ela quer.

Aqui no Brasil temos muitos problemas com a conexão da internet. Como é possível ter uma boa educação totalmente online aqui?

Ouvimos bastante que o Brasil e os demais países da América Latina possuem esse problema, porém não é um problema real. Quer dizer, conseguimos trabalhar com isso. Precisamos pensar em perspectiva. Na América Latina e no Brasil existe um fenômeno de superpopulação em pouquíssimas cidades e existe muito menos gente morando nas outras cidades. Nessas grandes cidades existe uma boa infraestrutura. Entendo que em lugares no Amazonas, por exemplo, não há internet e temos de ter uma alternativa para trabalhar nesses ambientes. Desenvolvemos uma solução em que as pessoas podem fazer muitas atividades offline e, quando conseguirem conexão, podem enviar o que foi feito. Entendo que essa é mais uma questão política do que um desafio da tecnologia. Se for interessante para os políticos a livre educação, eles poderiam tornar isso possível. Tenho visto isso acontecer na Colômbia, no Peru. Acho que o problema e a solução para Brasil e demais países da América Latina é a educação.

Como o senhor vê a importância da educação na atual situação econômica do Brasil?

Eu totalmente acredito que este momento econômico, quando infelizmente aumenta o desemprego, é um tempo perfeito para as pessoas se dedicarem à educação. Quando alguém está desempregado e não consegue um trabalho, o que acontece? Tipicamente, quando há mais pessoas disponíveis a competição aumenta. Não dá pra achar um trabalho como há cinco anos quando havia um único candidato. Agora alguém concorre com mais 15 que estão mais bem preparados que ele. É preciso refletir quais competências são necessárias melhorar para aumentar a competitividade de cada um no mercado de trabalho. Há um monte de programas onlines de boas universidades disponíveis para isso. Encorajo as pessoas a repensarem o que elas podem fazer para ter vantagens no mercado e como a tecnologia pode ajudá-las a ter uma educação barata e de qualidade.

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Setor de tecnologia precisa de mais mulheres

As mulheres ainda são minoria no mercado de tecnologia do mundo inteiro. Elas ocupam apenas 24% dos postos de trabalho em empresas de tecnologia de todo o mundo, segundo dados da CompTIA, associação do setor de Tecnologia da Informação (TI). A disparidade aumenta em cargos de liderança, onde as mulheres[…]

Leia mais »
Liderada pelo professor Gilberto Sarfati, GVentures não cobra taxas nem participação nas startups / Divulgação

Aceleradora da FGV oferece mentoria gratuita para startups

A aceleradora GVentures, da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, oferece um programa gratuito de mentoria com duração de quatro meses. As inscrições vão até 31 de maio. Um dos requisitos é que a startup tenha um aluno ou ex-aluno da FGV como sócio.[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami