inova.jor

inova.jor

Como o Facebook escolhe as notícias que você lê

Mark Zuckerberg, do Facebook, foi convidado a falar no Senado dos EUA sobre os Trending Topics / Divulgação
Mark Zuckerberg, do Facebook, foi convidado a falar no Senado dos EUA sobre os Trending Topics / Divulgação

No começo do mês, o Facebook foi acusado de manipular informações ao não publicar textos de inclinação conservadora no Trending Topics, ferramenta que apresenta notícias e tendências na rede social, ainda não disponível no Brasil.

Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, recebeu uma carta e foi chamado a ir ao Senado americano para falar sobre o assunto. O jornal The Guardian revelou que o Facebook conta com a ajuda de uma equipe de editores para dar forma aos resultados obtido com os algoritmos.

A empresa afirmou em comunicado não ter encontrado nenhuma prova de que seja verdadeira a acusação de que textos conservadores não entrem no Trending Topics, e que tomou algumas medidas para evitar intervenção humana no resultado da ferramenta.

Foram prometidas mudanças no algoritmo e no guia de boas práticas da equipe de Trending Topics, manual desenvolvido pela própria empresa sobre como os editores podem fazer a gestão da ferramenta.

No guia, foram excluídas a lista com 10 veículos de mídia aprovadas para verificar se um assunto é uma tendência e a relação de mil sites usados para avaliar a relevância das histórias. Cerca de 40 sites brasileiros eram citados nessa relação.

O Facebook lançou o Trending Topics em 2014, com o objetivo de fazer frente a outros concorrentes que já funcionavam como uma plataforma de conversa sobre as notícias do cotidiano.

Diferentemente do Twitter, por exemplo, o Facebook se concentrou em manter uma organização maior das tendências, mantendo tópicos relevantes e sem repetição.

Em 2010, o Twitter fez adequações no seu algoritmo para impedir que alguns dos tópicos que sempre se repetiam e tinham um grande volume no histórico da plataforma voltassem para a lista, como o termo Justin Bieber, o principal problema de repetição naquele ano.

Fonte de informações

Embora esteja mudando o funcionamento do Trending Topics, isso não elimina o questionamento sobre o papel da Facebook em ser um distribuidor de notícias em todo o mundo e, consequentemente, ajudar a moldar a percepção sobre a atualidade.

No Brasil, a rede social se tornou uma importante fonte de notícias para a sua audiência. A empresa declara que 8 em cada 10 pessoas conectadas estão no Facebook, onde elas passam uma média de 50 minutos por dia.

O modelo de negócios do Facebook é a venda de publicidade. Para isso, atrair a atenção da audiência pelo maior tempo possível faz com que a empresa invista muito tempo e energia decidindo o que mostrar aos usuários.

De acordo com a pesquisa Trust Barometer 2016, da Edelman Significa, 82% dos brasileiros utilizam redes sociais para se manterem informado.

E o Facebook é uma das gigantes de tecnologia que tem investido em conteúdo para manter os bons números de audiência. Recentemente, foi divulgado que a empresa paga para celebridades e grupos de mídia utilizarem a nova ferramenta de publicação de vídeos em tempo real.

Activate Tech and Media Outlook 2016

No ano passado, o estudo Tech and Media Outlook 2016, da consultoria Activate, mostrou como as gigantes da tecnologia vão ficar maiores e mais parecidas nos próximos anos, uma vez que produtos, serviços e conteúdos dessas empresas estão em convergência.

Como esse movimento deve trazer mais concorrência entre elas, o diferencial virá de conteúdo, modelo de negócio e cuidados com a privacidade do usuário.

Com esse cenário, é possível esperar que essas empresas invistam mais em conteúdo ou na compra de empresas de mídia para conseguir manter e conquistar a audiência.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Bancos brasileiros investem cerca de R$ 2 bilhões ao ano em segurança / Divulgação

Biometria reforça comodidade e segurança no setor financeiro

Bancos brasileiros investem cerca de R$ 2 bilhões ao ano em segurança / Divulgação A população cresce de maneira exponencial em todo o mundo e um volume cada vez maior de dados circula de maneira ampla por todo o ambiente digital. Com todas as transformações na sociedade, é preciso pensar[…]

Leia mais »
Elisabeth Reynolds, do MIT, afirma que política industrial brasileira atrapalha política de inovação / Renato Cruz/inova.jor

Quais são os principais obstáculos à inovação no Brasil

Apesar das políticas de incentivo à inovação, o Brasil não vai muito bem nessa área. Um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), patrocinado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), apontou obstáculos às atividades inovadoras no país, e fez seis recomendações: garantir que as[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami