inova.jor

inova.jor

Conheça Marea, o cabo submarino da Microsoft e do Facebook

Marea: Gigantes de tecnologia investem em estrutura de transmissão de dados / Alexandre Delbos/Creative Commons
Gigantes de tecnologia investem em estrutura de transmissão de dados / Alexandre Delbos/Creative Commons

Microsoft e Facebook se uniram para construir um cabo submarino para transmissão de dados entre Estados Unidos e Espanha. O projeto, chamado Marea, tem como objetivo sustentar o tráfego de internet entre os continentes.

Com conclusão prevista para 2017, o Marea será a estrutura de fibra óptica de maior capacidade no Oceano Atlântico. Com largura de banda de 160 terabits por segundo, o cabo também vai distribuir dados para redes na África, Oriente Médio, Ásia e restante da Europa.

A iniciativa vai ajudar as duas empresas a atender uma crescente demanda por serviços na nuvem e consumo de dados.

A Microsoft investe em infraestrutura para suas mais de 200 aplicações em nuvem, incluindo Bing, Office 365, Skype, Xbox Live e a plataforma Azure. Já o Facebook pretende melhorar a experiência de aplicações como vídeos ao vivo.

O cabo será administrado  pela Telxius, uma subsidiária da espanhola Telefónica, especializada em infraestrutura de telecomunicação.

Em 2007, a Microsoft adquiriu uma participação de 1,6% do Facebook por US$ 240 milhões.

Independência de infraestrutura

Outras gigantes de tecnologia investem em cabos submarinos para oferecer serviços cada vez mais rápidos e confiáveis. Em 2010, a Google inaugurou uma unidade que liga os EUA e o Japão. A empresa também investiu em uma estrutura que liga os Estados Unidos ao Brasil e uma rede de cabos que ligam várias partes da Ásia.

A Amazon anunciou este ano que vai investir em cabos submarinos. A grande varejista quer garantir ao seu serviço de cloud o maior número de opções globais para hospedar a infraestrutura de seus clientes.

Cerca de 99% do tráfego de dados intercontinentais são feitos por meio de cabos submarinos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Showroom da Oi em São Paulo tem demonstrações de internet das coisas e big data / Renato Cruz/inova.jor

Como o big data das telecomunicações pode ajudar as cidades

A análise das informações recolhidas pelas operadoras de telefonia móvel, como as mudanças na localização dos clientes durante o dia, abre uma grande possibilidade de melhora da vida nas cidades. Problemas de áreas como mobilidade urbana, educação, trabalho, turismo e segurança podem ser mais bem entendidos a partir do tratamento[…]

Leia mais »
A Pebble não conseguiu resistir e acabou fechando as portas, depois de vender ativos para a Fitbit / Joel Gillman/Creative Commons

É tempo de consolidação no mercado de relógios inteligentes

O mercado de relógios inteligentes tem ficado aquém das expectativas de fabricantes e analistas. Muitos achavam que ele poderia ser tão grande quanto o de smartphones, mas o smartwatch acabou se provando, pelo menos até agora, um produto de nicho. Hoje (13/12), o Google anunciou a compra da Cronologics, que desenvolveu[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *