inova.jor

inova.jor

Quando os computadores começarem a pensar como nós

Computação cognitiva: Alguns especialistas acreditam que os computadores podem atingir o nível da inteligência humana em 2022 / Divulgação
Alguns especialistas acreditam que os computadores podem atingir o nível da inteligência humana em 2022 / Divulgação

José Luis Spagnuolo

A história começa uns 200 milhões de anos atrás com a evolução de uma parte do cérebro conhecida como neocórtex, que permitiu aos mamíferos não só sobreviverem às catástrofes do período cretáceo, mas também fazer do Homo sapiens a espécie dominante no planeta Terra.

É no neocórtex que ocorrem as funções superiores, como percepção sensorial, intuição, geração de comandos motores, raciocínio espacial, pensamento consciente, criatividade, motivação, contexto, abstração e linguagem. O cérebro humano possui também suas limitações, tais como falhas de memória, vieses cognitivos, velocidade de processamento, capacidades matemáticas e tamanho.

Por muito tempo o homem tenta reproduzir as capacidades do cérebro em dispositivos e sistemas e, em 1950, o matemático Alan Turing chegou a propor um teste para avaliar se um sistema poderia exibir inteligência. Foi em 1956, em uma conferência no Dartmount College, que o cientista John McCarthy cunhou o termo inteligência artificial (IA), para designar sistemas que pudessem simular o pensamento humano.

Desde então, a ciência da computação tem evoluído, com altos e baixos, na tentativa de alcançar o objetivo de dotar de inteligência um sistema. Muito foi feito em jogos, lógica formal e provas de teoremas. Robótica, representação de conhecimento e sistemas especialistas limitados a um determinado domínio também foram implementados. Entretanto, por falta de um hardware poderoso para processar e armazenar tantas informações e, principalmente, de algoritmos que pudessem lidar com incertezas e dados não estruturados, a IA nunca havia vingado.

Isso começou a mudar na década de 1990 com a melhoria em processadores, memórias e armazenamento mais rápidos e algoritmos de redes neurais e de machine learning. Em 2011, a IBM, por meio do sistema Watson, conseguiu vencer os dois maiores jogadores de Jeopardy!, jogo de perguntas e respostas da TV norte-americana que requer entendimento da linguagem natural, busca por enormes quantidades de informação, criação de hipóteses e tratamento de incertezas.

Assistentes de profissionais

Computação cognitiva: José Luis Spagnuolo, da IBM / Divulgação
Spagnuolo, da IBM / Divulgação

Iniciou-se aí uma discussão na comunidade especializada para saber quando esses sistemas vão atingir o mesmo nível da inteligência humana, que é definida como a capacidade de executar qualquer tarefa que um adulto pode realizar e que não seja limitada a um único domínio. Os mais pessimistas acreditam que isso deva acontecer por volta do ano de 2075, os mais otimistas em 2022 e a maioria acredita que seja perto de 2040.

Diferentemente do que muitos imaginam, os sistemas de computação cognitiva não vão substituir o homem. A ideia é que eles atuem como assistentes dos profissionais para ampliar seu conhecimento e auxiliar nas decisões. Por exemplo, o médico nunca será substituído, mas ele pode contar com um assistente cognitivo que lhe dê subsidio técnico e científico para melhor escolha um tratamento para seu paciente, já que ele leu tudo o que o médico não conseguiu estudar pelo grande volume de informações que são criadas diariamente. Assim, o profissional consegue se concentrar naquilo que é importante, neste caso, cuidar das pessoas.

Acredita-se que a civilização rumará para uma economia de ideias. A riqueza nesse novo mundo será a inovação e fato importante aqui é que precisaremos lidar de maneira diferente com esses sistemas. Antes que eles comecem a operar, teremos que ser capazes de embutir em sua essência os valores que são importantes e caros para toda a raça humana, para que compartilhem conosco os mesmos objetivos de evolução, progresso e bem-estar que o homem busca.

  • José Luis Spagnuolo é diretor de Tecnologia da IBM Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Nosso cérebro espelha o que somos e somos o que ele permite ser / Pedro Gabriel Ferreira/Creative Commons

Como o uso de aplicativos afeta o cérebro

O contato com aplicativos e dispositivos é cada dia mais comum para todo tipo de gente, de todas as idades. Um contato intenso, que, muitas vezes, deixa as pessoas isoladas, absorvidas em casulos imaginários, de olhos fixos em telas de todos os tamanhos. Não há lugar ou limite: pode ser na espera de[…]

Leia mais »
A Universidade Stanford é essencial para o ecossistema de inovação da Califórnia / Jeff Plentz/Divulgação

Como preparar o Brasil para competir no ambiente de inovação

No cenário atual global, tanto para empresas quanto para nações, a palavra de ordem é inovar ou morrer. No campo empresarial, a competição é ferrenha, seja no setor de serviços, seja na indústria tradicional. A velocidade com que mudanças ocorrem nos mercados consumidores coloca em cheque ideias convencionais, que na[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami