inova.jor

inova.jor

São Paulo é a 19ª cidade para mulheres empreendedoras

Empreendedoras: O índice demonstra as cidades mais abertas a empreendedorismo feminino / Divulgação / Dell
Índice da Dell aponta as cidades mais abertas ao empreendedorismo feminino / Dell/Divulgação

São Paulo é considerada a 19.ª cidade com melhores condições para mulheres empreendedoras do mundo. Em contrapartida, está entre as cidades em que elas encontram a maior dificuldade de conseguir capital para suas empresas.

A conclusão faz parte do estudo sobre empreendedorismo feminino realizado pela Dell e divulgado nesta semana. O índice Dell Women Entrepreneur Cities (WE Cities) analisa como as cidades atraem e promovem o crescimento de empresas lideradas por mulheres.

O estudo avaliou as cidades levando em consideração capital, tecnologia, talento, cultura e mercado. Nova York foi considerada a melhor cidade para empreendedoras, seguida da Baía de São Francisco, Londres, Estocolmo e Cingapura.

No âmbito cultural, São Paulo ficou entre as dez melhores. Nesse item são observados como os aspectos culturais da cidade interferem positivamente no empreendedorismo feminino, como a existência de políticas de diminuição de diferenças de gênero e organizações de mulheres empresárias.

A cidade brasileira foi considerada também a terceira do ranking de atitudes e expectativas para essas mulheres empreendedoras.

Capital

O acesso ao capital foi apontado como o principal desafio das empreendedoras de São Paulo, Munique, Istambul, Milão e Joanesburgo.

Apesar da dificuldade, as empreendedoras possuem papel de destaque em momentos de crise. Elizabeth Gore, Entrepreneur-in-Residence na Dell, destacou, em comunicado, a importância das mulheres para o mercado:

As mulheres empreendedoras são a melhor aposta do país para o crescimento econômico. É hora de as mulheres estarem politicamente engajadas para garantir que os ecossistemas certos sejam implementados, para elas crescerem. Se políticos e empresários formarem parcerias, políticas dinâmicas podem ser postas em prática para fechar o círculo e melhorar o processo da ideia até a empresa. O índice WE Cities pode ser usado como uma ferramenta de diagnóstico para ajudar a garantir que os legisladores estejam atentos às suas necessidades.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Operadoras apostam em vídeo, big data e drones

Com a queda na demanda por serviços de voz e a competição crescente de aplicativos de internet, as operadoras de telecomunicações buscam novas fontes de receita. O aplicativo Studio+ é uma das apostas da Telefônica Vivo para diversificar seu modelos de negócios. Com a plataforma, os clientes da Vivo poderão assistir a[…]

Leia mais »
Rafael Steinhauser, da Qualcomm, quer fomentar o mercado brasileiro de internet das coisas / Renato Cruz/inova.jor

Qualcomm premia projetos de internet das coisas

A Qualcomm abriu as inscrições do Prêmio Tecnologias de Impacto para projetos brasileiros inovadores de internet das coisas, com uso de tecnologias de comunicação sem fio. O prazo termina em 30 de outubro. “A inovação é fundamental”, afirma Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm América Latina. “Queremos fomentar o mercado brasileiro[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami