inova.jor

inova.jor

Afinal, os carros inteligentes são seguros?

Tesla está entre as principais fabricantes de carro inteligente / Dave Pinter/Creative Commons
Tesla está entre as principais fabricantes de carros inteligentes / Dave Pinter/Creative Commons

O acidente fatal envolvendo um carro da Tesla no piloto automático, divulgado ontem (30/6) nos Estados Unidos, fez retomar a discussão sobre a segurança dos veículos autônomos.

Afinal, os carros inteligentes são seguros?

O estudo Connected Cars: The Open Road For Hackers, da FireEye Intelligence, responde que muito pouco.

A vulnerabilidade a ataques de hackers é apontada como o principal motivo para não confiar 100% nessa tecnologia.

Para a pesquisa, os dispositivos mais passíveis a ataque são aqueles responsáveis pela comunicação entre veículos, acesso às redes wi-fi, prevenção de colisões e sistema de monitoramento de pressão dos pneus.

Os ataques a esses dispositivos podem trazer problemas sérios como acesso físico não autorizado ao veículo, roubo de informações pessoais, capacidade de sequestro relâmpago e extorsão mediante infecção do sistema por vírus.

Modernização

Roberto Medeiros, diretor sênior de desenvolvimento de produtor da Qualcomm, defende que não há motivo para alarde. A Qualcomm é uma das empresas que produz plataformas para transformar carros em dispositivos mais inteligentes.

“Qualquer dispositivo que está conectado está sujeito a ataques e com veículos não é diferente. Seria exagero dizer que é impossível, mas não acredito que essa seja uma preocupação real”, diz Medeiros.

Para o executivo, a indústria automobilística está passando por um processo de modernização de sistemas. A fase atual consiste em ampliar a conectividade entre veículo-smarphone e veículo-passageiro.

“Acredito que só veremos carros totalmente autônomos a partir da próxima década. O próximo passo do setor será investir em comunicação entre veículos, pessoas e coisas, o chamado V2X”, afirma.

No sistema V2X será possível carros se comunicarem com pessoas, além de outros carros e objetos próximos a eles como postes de iluminação públicas colocados ao lado de uma via, compondo todo um sistema de cidade inteligente.

A segurança dessa conectividade, segundo o executivo da Qualcomm, é estudado desde a concepção das tecnologias.

“Além de estarmos sempre cuidando da segurança do que fazemos passamos, muitos anos projetando e testando antes de ir ao mercado. Posso dizer que hoje já estamos testando uma próxima etapa que está muito além do que vimos hoje nas ruas”, conclui.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

França procura startups brasileiras

Startups de todas as partes do mundo podem concorrer a um ano de atividades numa incubadora da França com as despesas pagas. O programa French Tech Ticket quer encontrar 70 empresas em fase de criação ou expansão dispostas a se desenvolver com o auxílio de profissionais especializados. Para participar, as startups[…]

Leia mais »

Centrais de atendimento devem ir para a nuvem na América Latina

O mercado de centrais de atendimento on-premises (instaladas na própria empresa) movimentaram US$ 240 milhões na América Latina em 2015, sendo que o Brasil representou 50% do total. Em 2021, esse montante deve alcançar US$ 275,5 milhões. No mesmo ano, as soluções em nuvem devem representar mais do que 30% do[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami