inova.jor

inova.jor

Empregadores estão de olho nas suas redes sociais

O Facebook estará entre as redes sociais avaliadas pelos recrutadores / LPS.1 / Creative Commons
O Facebook estará entre as redes sociais avaliadas pelos recrutadores / LPS.1/Domínio público

O que você compartilha nas redes sociais condiz com seus valores e preferências? Se a sua resposta é não, é preciso rever suas postagens antes de procurar emprego.

Isabella Botelho, presidente da Pin People, acredita ser fundamental manter o mesmo perfil de atividades na vida real e virtual. A startup é responsável por realizar encontros entre empresas e candidatos com perfis e valores semelhantes.

“Não há nada de errado em postar fotos na balada, bebendo ou todas as vezes que você sair. O importante é ser você mesmo e deixar a tecnologia ajudá-lo a encontrar o emprego ideal”, diz.

Durante o processo de seleção, a Pin People aplica um questionário com perguntas básicas sobre comportamento, desejos e momento de vida do candidato.

Além disso, informações publicadas no LinkedIn são usadas para traçar o perfil de quem está buscando a vaga.

“Com o histórico de experiência profissional conseguimos ver se a pessoa tem mais perfil de líder ou técnico, por exemplo. Isso facilita muito na hora de repassar para as empresas”, explica.

Sem máscara

As postagens do Facebook também serão avaliadas durante o processo nos próximos meses. Apesar disso, a executiva explica que não há motivos para modificar a maneira de usar a rede social.

“Não é preciso ter cuidado nas redes sociais. Está errado quem acredita que compartilhar só notícias de economia e política, mesmo sem gostar desses assuntos, vai transformá-lo num candidato mais atraente. É importante não colocar máscara em momento algum, porque na hora da entrevista há chances de ela cair”, diz Botelho.

Segundo a executiva, com essas informações em mãos, diminuem as chances de empresas perderem tempo e dinheiro com funcionários que não se adaptam aos valores e costumes de seu ambiente de trabalho.

Redes sociais: Isabella Botelho, da Pin People, explica a importância de ser real nas redes sociais / Divulgação Pin People
Isabella Botelho, da Pin People / Divulgação

Para o vínculo dar certo, as empresas também participam de uma etapa de autoconhecimento. Colaboradores de diferentes áreas preenchem um relatório que define como é o ambiente de trabalho visto de dentro.

“Cruzamos os perfis do candidato e da empresa e vemos se há compartilhamento de valores, expectativas e ideais. Quando há contratação, passamos para a segunda etapa, de monitoramento”, diz.

A cada três meses os recém-contratados dão retorno a respeito da empresa e de colegas e fazem uma autoavaliação. Este monitoramento dura um ano.

É possível ainda realizar, gratuitamente, o teste para descobrir o seu perfil como candidato no site da Pin People.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Rodrigo Salvador quer expandir o Passeidireto.com para outros países / Divulgação

Investidores apostam em startups de educação

Apesar da crise econômica, startups brasileiras que atuam no mercado de educação tem despertado o interesse de grandes grupos do setor. No mês passado, o Passeidireto.com, rede social em que universitários compartilham materiais de estudo, anunciou mais uma rodada de investimentos. A Chegg, empresa americana de educação, liderou um grupo de investidores que aportou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami