inova.jor

inova.jor

França procura startups brasileiras

França: A primeira edição aconteceu no ano passado com participação de startups brasileiras / Divulgação
A primeira edição aconteceu no ano passado, com participação de startups brasileiras / Divulgação / French Tech Ticket

Startups de todas as partes do mundo podem concorrer a um ano de atividades numa incubadora da França com as despesas pagas.

O programa French Tech Ticket quer encontrar 70 empresas em fase de criação ou expansão dispostas a se desenvolver com o auxílio de profissionais especializados.

Para participar, as startups precisam ser formadas por dois ou três membros, todos com fluência em inglês. O programa exige ainda dos empreendedores disponibilidade integral por um ano, para que eles se instalem numa das incubadoras participantes do projeto em diversas regiões da França.

Os candidatos pré-selecionados participaram de entrevistas com uma das incubadoras do projeto, responsável por avaliar se a startup obedece os seguintes critérios de seleção:

  • estratégia de marketing,
  • viabilidade do produto,
  • crescimento financeiro e
  • impacto de a empresa estar na França.

Para custear as despesas, cada startup recebe € 57 mil, sendo € 12 mil obrigatoriamente destinado às incubadoras, € 20 mil para despesas pessoais e € 25 mil a documentos necessários para a empresa.

O programa alerta ainda sobre a necessidade de ter visto para permanecer na França por 12 meses, mas informa que há facilidades para membros de startups vencedoras do processo.

Inscrições

Interessados em participar do segundo ano precisam se inscrever no site da French Tech Ticket até o dia 24 de agosto. A lista com o resultado final será divulgada em dezembro deste ano, com atividades iniciadas em janeiro de 2017.

O Brasil já é um país conhecido no programa. Guy Bulaty, brasileiro e presidente da Carnomise, empresa de aluguel de veículos, é um dos embaixadores do projeto.

Mariana Bittencourt, diretora de Comunicação da Cophenol, uma das startups vencedoras do primeiro ano, também participou das atividades no ano passado.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Vários céticos diziam que a BlaBlaCar nunca ia dar certo no Brasil / Ana Perugini/Flickr

‘O que aprendi lançando um aplicativo francês no Brasil’

À frente da operação brasileira de uma grande plataforma francesa de caronas intermunicipais, muito tenho aprendido sobre o mundo do empreendedorismo. E também sobre o transporte rodoviário no Brasil, o impacto real da cultura do compartilhamento e os desafios da gestão local em um ambiente global. Implementar localmente o app[…]

Leia mais »

Operadoras apostam em vídeo, big data e drones

Com a queda na demanda por serviços de voz e a competição crescente de aplicativos de internet, as operadoras de telecomunicações buscam novas fontes de receita. O aplicativo Studio+ é uma das apostas da Telefônica Vivo para diversificar seu modelos de negócios. Com a plataforma, os clientes da Vivo poderão assistir a[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami