inova.jor

inova.jor

Como as fintechs tornam o investimento mais acessível

Fintechs: A Magnetis oferece plano de investimento depois de traçar o perfil do investidor / Divulgação
A Magnetis oferece plano de investimento depois de traçar o perfil do investidor / Divulgação

Antes de criar a Magnetis, Luciano Tavares atuou por quase duas décadas como gestor de investimentos. Ao fundar a startup, sua ideia foi oferecer, a um público amplo, o planejamento financeiro que normalmente era restrito a quem tem muito dinheiro.

A Magnetis é uma das fintechs (empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros) que pretendem modificar a maneira como as pessoas investem.

Por meio de um questionário, o investidores pode traçar seu perfil financeiro gratuitamente e elaborar um plano de investimentos a partir desse perfil. No primeiro ano de atividade, a empresa registrou mais de 10 mil cadastros.

“Percebi que esse era um modelo que dava certo nos Estados Unidos, mas não sabia como seria a recepção dos brasileiros”, afirma Tavares.

Uma diferença importante é que a cultura de investimento em ações é muito mais forte nos EUA. “Um investidor com perfil de risco moderado tem uma carteira de 50% ou mais de ações. Aqui no Brasil, fica entre 10% e 15%”, exemplifica o executivo.

Carteira

O sistema apresenta uma proposta detalhada de carteira. Caso queira seguir em frente, o investidor abre uma conta na Easynvest, corretora parceira da Magnetis, e paga uma taxa para manter essa carteira.

“Os bancos cobram em média 2% por ano, e as corretoras costumam ser um pouco mais baratas”, diz Tavares. “O custo da nossa carteira está em cerca de 0,4% ano ano.”

Investimento: Luciano Tavares, da Magnetis / Divulgação
Luciano Tavares, da Magnetis / Divulgação

A Magnetis é remunerada diretamente pelo investidor, o que evita conflitos de interesse como os que acontecem algumas vezes nas agências bancárias, em que gerentes têm metas a cumprir.

O investimento mínimo é de R$ 25 mil. Tavares achava que a Magnetis atrairia investidores que têm até R$ 1 milhão, mas a startup já conta com três clientes com vários milhões.

O sistema da Magnetis faz uma projeção de performance e vai ajustando a carteira conforme o comportamento real do mercado.

No ano passado, a startup recebeu R$ 3,2 milhões de investimento da Monashees, Redpoint e.ventures, 500 Startups e Guilherme Horn (fundador da Ágora e da Órama).

Recentemente, a Edelman divulgou um estudo em que aponta que a confiança do brasileiro no setor de tecnologia e nas instituições financeiras beneficia o crescimento das fintechs.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Desafio para startups da J&J quer atender necessidade dos idosos / SESC SP/Creative Commons

Johnson & Johnson busca parceria com startups brasileiras para atender idosos

A Johnson & Johnson busca startups latino-americanas que tenham soluções de saúde voltadas para idosos. O programa Innovation Challenge on Aging Consumers aconteceu no Brasil por meio de parceria com a 100 Open Startups. Está prevista para abril a divulgação do nome da startup vencedora do desafio. Ela vai desenvolver um projeto com técnicos[…]

Leia mais »
Artemisia Lab busca startups com soluções para o setor de saúde / Divulgação

Programa acelera negócios de impacto social em saúde

O Artemisia Lab, da Artemisia e da Associação Samaritano, selecionam até 15 negócios de impacto social com foco em saúde, para participar de uma jornada de aceleração de cinco semanas. As inscrições podem ser feitas até 15 de abril no site do programa. Os três selecionados que se destacarem podem[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *