inova.jor

inova.jor

Como as fintechs tornam o investimento mais acessível

Fintechs: A Magnetis oferece plano de investimento depois de traçar o perfil do investidor / Divulgação
A Magnetis oferece plano de investimento depois de traçar o perfil do investidor / Divulgação

Antes de criar a Magnetis, Luciano Tavares atuou por quase duas décadas como gestor de investimentos. Ao fundar a startup, sua ideia foi oferecer, a um público amplo, o planejamento financeiro que normalmente era restrito a quem tem muito dinheiro.

A Magnetis é uma das fintechs (empresas de tecnologia que oferecem serviços financeiros) que pretendem modificar a maneira como as pessoas investem.

Por meio de um questionário, o investidores pode traçar seu perfil financeiro gratuitamente e elaborar um plano de investimentos a partir desse perfil. No primeiro ano de atividade, a empresa registrou mais de 10 mil cadastros.

“Percebi que esse era um modelo que dava certo nos Estados Unidos, mas não sabia como seria a recepção dos brasileiros”, afirma Tavares.

Uma diferença importante é que a cultura de investimento em ações é muito mais forte nos EUA. “Um investidor com perfil de risco moderado tem uma carteira de 50% ou mais de ações. Aqui no Brasil, fica entre 10% e 15%”, exemplifica o executivo.

Carteira

O sistema apresenta uma proposta detalhada de carteira. Caso queira seguir em frente, o investidor abre uma conta na Easynvest, corretora parceira da Magnetis, e paga uma taxa para manter essa carteira.

“Os bancos cobram em média 2% por ano, e as corretoras costumam ser um pouco mais baratas”, diz Tavares. “O custo da nossa carteira está em cerca de 0,4% ano ano.”

Investimento: Luciano Tavares, da Magnetis / Divulgação
Luciano Tavares, da Magnetis / Divulgação

A Magnetis é remunerada diretamente pelo investidor, o que evita conflitos de interesse como os que acontecem algumas vezes nas agências bancárias, em que gerentes têm metas a cumprir.

O investimento mínimo é de R$ 25 mil. Tavares achava que a Magnetis atrairia investidores que têm até R$ 1 milhão, mas a startup já conta com três clientes com vários milhões.

O sistema da Magnetis faz uma projeção de performance e vai ajustando a carteira conforme o comportamento real do mercado.

No ano passado, a startup recebeu R$ 3,2 milhões de investimento da Monashees, Redpoint e.ventures, 500 Startups e Guilherme Horn (fundador da Ágora e da Órama).

Recentemente, a Edelman divulgou um estudo em que aponta que a confiança do brasileiro no setor de tecnologia e nas instituições financeiras beneficia o crescimento das fintechs.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O programa Afro Hub vai selecionar 10 empreendedores negros para seu processo de pré-aceleração / Divulgação

Afro Hub apoia iniciativas de empreendedores negros

Foi anunciado ontem (30/5) o lançamento do Afro Hub, um programa que tem por objetivo apoiar empresas tecnológicas de empreendedores negros. O programa é uma iniciativa da Feira Preta, Afro Business e Diaspora.Black, com apoio do Facebook. Neste ano, completam-se 130 anos da abolição da escravatura no Brasil. A partir[…]

Leia mais »
O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

FLORIANÓPOLIS A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009. A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado a 61% em 2002, está atualmente em 36%. O Labelectron, fábrica-laboratório da Fundação Certi, tem entre os[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami