inova.jor

inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

Indústria: O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor
O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

FLORIANÓPOLIS

A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009.

A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado a 61% em 2002, está atualmente em 36%.

O Labelectron, fábrica-laboratório da Fundação Certi, tem entre os seus desafios desenvolver projetos para tornar indústrias mais competitivas.

“Uma questão importante é como competir no mercado internacional”, afirma Carlos Alberto Alves, diretor executivo do Centro de Produção Cooperada da Certi. “A tecnologia passa a ser consequência.”

No ano passado, a Certi, em parceria com o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil do Senai (Cetiqt), desenvolveu um projeto de confecção do futuro, numa iniciativa da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Segundo Alves, o desafio era projetar uma fábrica de confecções capaz de disputar mercado com a China. A Sol Sports, de Jaraguá do Sul (SC), foi escolhida para implementar os conceitos definidos no projeto.

Manufatura avançada

O estudo desenvolvido pela Certi e pelo Senai Cetiqt identifica as seguintes características na confecção do futuro:

  • personalização em massa;
  • certificação da qualidade do produto;
  • vendas pela internet;
  • integração da cadeia de valor apoiada em tecnologia da informação e comunicação (TIC);
  • gestão profissionalizada; e
  • tempo rápido de resposta (time to market).

A busca da competitividade passa pelo conceito de Indústria 4.0. Criado na Alemanha, ele se refere à quarta revolução industrial, em que plataformas eletrônicas controlam processos físicos e as informações fluem entre os sistemas de gestão empresarial e de relacionamento com clientes e a produção.

A primeira revolução industrial foi trazida pela mecanização movida a energia hidráulica e a vapor. A segunda revolução industrial chegou com a linha de montagem e o motor elétrico. A terceira, com os robôs e as máquinas automáticas. A quarta aplica tecnologias como big data, computação em nuvem e internet das coisas à manufatura.

Nos últimos anos, novas tecnologias de automação fabril chegaram a um custo competitivo com o do trabalhador chinês.

Por aqui, temos desafios que vão da alta carga tributária à falta de infraestrutura logística, passando pela necessidade de atualizar o chão de fábrica. A idade média do parque instalado de máquinas por aqui é de 17 anos.

Criado em 2002, o Labelectron emprega 90 pessoas. Além de servir de laboratório de técnicas avançadas de manufatura, suas instalações são usadas pela Produza para fabricar placas eletrônicas em pequenos lotes.

  •  O jornalista viajou a convite da Fundação Certi

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Hospitais apostam em acompanhamento remoto do paciente

Rio de Janeiro Ir ao hospital para fazer tratamentos básicos de saúde pode se tornar algo raro nos próximos anos. O conceito de “at-home hospital care” (assistência hospitalar no domicílio) é uma das apostas de modernização do setor de saúde. Em sistemas at-home, apenas tratamentos de doenças agudas são feitos no[…]

Leia mais »
Dirigentes da Saint-Gobain planejam visitar semanalmente as startups do Cubo / Divulgação

Saint-Gobain procura startups no Cubo

Criado no ano passado, o Cubo Coworking Itaú tornou-se um espaço de referência para startups digitais, principalmente para as chamadas fintechs, que oferecem serviços financeiros. Recentemente, a Saint-Gobain fechou uma parceria com o Cubo. O que uma empresa de materiais de construção e industriais busca nesse ambiente? “É um projeto muito importante para[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami