inova.jor

inova.jor

Quais são os planos da TIM para startups

Luis Minoru, diretor de estratégia da TIM, anunciou parceria com o Cubo / Renato Cruz/inova.jor
Luis Minoru, diretor de estratégia da TIM Brasil, anunciou parceria com o Cubo / Renato Cruz/inova.jor

A TIM quer se aproximar do ecossistema brasileiro de startups. O primeiro passo foi uma parceria com o Cubo Coworking Itaú, anunciada hoje (19/7).

Por enquanto, os planos não preveem investimento financeiro. Mas a operadora não descarta pegar participação societária em empresas iniciantes em troca de acesso a ativos como sua base de 67 milhões de clientes, sua plataforma de big data que processa 6 bilhões de registros de chamadas por dia ou seu serviço de bilhetagem.

“Queremos encontrar empresas que nos tornem mais ágeis”, afirma Luis Minoru, diretor de Estratégia da TIM Brasil. “As operadoras têm capacidade de manter seu negócio principal e passar por um processo de transformação”

Minoru citou um estudo da Ovum que aponta como maiores ameaças às empresas estabelecidas as tecnologias novas e disruptivas e os competidores de fora do seu setor.

Para Minoru, a competição que vêm das empresas de internet pode ser uma oportunidade de rentabilizar ativos da TIM. A parceria com startups poderia tanto melhorar processos internos da operadora quanto dar origem a novos serviços e fontes de receita.

“No Brasil, as operadoras são mais que parecidas. Elas são odiadas igualmente. O serviço tornou-se muito barato, menos de R$ 1 por dia para acessar a internet, mas as pessoas não reconhecem valor”, reconhece Minoru.

Corporate venture

Janilson Bezerra, diretor de Inovação e Desenvolvimento de Negócios da TIM Brasil, destaca que a operadora optou por um modelo diferente do que está na moda, o de corporate venture (investimento financeiro em startups).

“Analisamos mais de 20 programas de corporate venture”, afirma o executivo.

Para Rogério Takayanagi, diretor de Marketing da TIM Brasil, um programa de corporate venture pode engessar o relacionamento entre uma grande companhia e uma empresa iniciante.

“Queremos evitar a tendência de usar o mesmo olhar de quem instala uma antena”, explicou Takayanagi.

O israelense Uri Levine, fundador do Waze, participou recentemente do anúncio da nova marca da TIM em São Paulo.

Quando lançou o aplicativo no Brasil, antes de o Waze se tornar o sucesso que é hoje, o empreendedor chegou a procurar a operadora para firmar uma parceria, mas foi esnobado.

“Dois anos depois, quando lançou o Moovit, nós falamos: essa eu não perco”, contou o diretor de Marketing da TIM. A operadora ofereceu três meses de dados gratuitos para o aplicativo, além de embarcá-lo nos celulares.

Atualmente, o Moovit tem 13 milhões de usuários no Brasil (comparados a 10 milhões do Waze), com cerca de 25 mil downloads por dia.

Com seu programa de startups, a TIM Brasil quer evitar que se repitam episódios como o do Waze.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons

Quais foram as 10 reportagens mais lidas de 2016

Big data, internet das coisas, expansão da banda larga e investimentos em startups foram alguns dos temas de tecnologia e inovação em destaque neste ano. Isso se reflete na relação das dez reportagens mais lidas de 2016 no inova.jor. De certa forma, a lista também serve como retrospectiva do ano. Apesar da[…]

Leia mais »
A FCC decidiu acabar com a neutralidade de rede por três votos a dois / Stephen Melkisethian/Creative Commons

Qual é o significado do fim da neutralidade de rede nos EUA

A Federal Communications Commission (FCC), agência norte-americana de comunicações, decidiu hoje (14/12), por três votos a dois, acabar com as regras que garantiam a neutralidade de rede nos Estados Unidos. Mas o que significa isso? A neutralidade de rede define que toda informação que trafega pela internet deve ser tratada[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami