inova.jor

inova.jor

Quanto tempo você gasta assistindo à TV?

Quanto mais novo é o espectador, menos tempo ele dedica à TV / Annelogue/Creative Commons
Quanto mais novo é o espectador, menos tempo ele dedica à TV / Annelogue/Creative Commons

Os hábitos dos espectadores estão mudando mudado. Uma pesquisa da Nielsen mostrou que, apesar de a TV ainda ser o meio dominante nos Estados Unidos, quanto mais novo é o espectador, menos horas ele dedica ao aparelho.

Um norte-americano gasta, em média, 35h26 por semana em frente à televisão. No grupo que tem entre 18 e 34 anos, essa média cai para 20h24.

Os espectadores de 18 a 34 anos dedicam, no entanto, 31h37 semanais a meios interativos, como equipamentos de TV conectada, tablets, smartphones e microcomputadores. Isso equivale a cerca de uma vez e meia ao tempo gasto com o televisor.

TV: Estudo da Nielsen sobre o tempo dedicado aos meios de comunicação

Glenn Enoch, vice-presidente sênior da Nielsen, destacou, no site da empresa, que “esse grupo etário é o mais inclinado a consumir diferentes tipos de conteúdo em diversos equipamentos”.

Vídeo linear e sob demanda

Como destaca a própria Nielsen, a TV tradicional ajuda a “moldar nossas experiências de eventos históricos ao vivo” e as pessoas assistem à televisão para “acompanhar o desenrolar da história”.

Ou seja, a televisão linear ainda faz sentido em algumas ocasiões, como eventos esportivos e grandes coberturas jornalísticas. Fora disso, o vídeo sob demanda é um serviço muito mais adequado.

No Brasil, o mercado de TV paga tem sofrido queda de assinantes.  A resposta das empresas é aumentar a aposta em vídeo sob demanda.

Para alguns especialistas, o futuro da televisão por assinatura é um aplicativo, que o assinante poderá acessar em qualquer lugar, por meio de qualquer dispositivo, como faz hoje com o Netflix.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”). Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram[…]

Leia mais »
O jornalista Renato Cruz comenta a notícia de que o Facebook e a Apple planejam investir US$ 1 bilhão em conteúdo exclusivo de vídeo no próximo ano

Por que o Facebook e a Apple querem ser a HBO

Parece que as grandes empresas de tecnologia querem se tornar a HBO. O jornalista Renato Cruz comenta a notícia de que o Facebook e a Apple planejam investir US$ 1 bilhão em conteúdo exclusivo de vídeo no próximo ano. Assine o canal do inova.jor no YouTube. Comentários comentários

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami