inova.jor

inova.jor

Como as aceleradoras selecionam startups

Estudo identificou 45 aceleradoras de startups em atuação no Brasil /Steven Zwerink/ Flickr / Creative Commons
Estudo identificou 45 aceleradoras de startups em atuação no Brasil /Steven Zwerink/Creative Commons

Criar uma startup com amigos, sem levar em conta competências técnicas da equipe, pode decretar o fim de uma boa ideia.

Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP) aponta a estrutura da equipe como principal fator de eliminação de startups em processos de seleção de aceleradoras brasileiras.

Realizado entre outubro de 2015 e janeiro deste ano, o estudo Panorama das aceleradoras de startups no Brasil mapeou 45 aceleradoras brasileiras, analisando o comportamento e as preferências de 31 delas.

O panorama apontou a inadequação da equipe no ato da inscrição do processo seletivo como principal motivo para uma startup não ser selecionada (95%).

Demanda ineficaz e falta de escalabilidade foram os outros dois principais motivos para a exclusão do processo, ambos com 51%.

Principais fatores para uma startup não ser selecionada / Fonte: FGV-SP
Fonte: FGV-SP

A preferência está em empresas iniciantes com certo nível de maturidade de negócio ou de concepção da ideia.

Entre os estágios mais bem vistos estão o de comercialização da solução (20%), venda piloto (18%) e produto em teste interno (17%).

Localização

A maior parte das aceleradoras está concentrada na Região Sudeste (71%). O levantamento constatou que somente o Estado de São Paulo abriga 52% do total.

O Nordeste é a segunda região (16%), seguido do Sul (10%) e do Norte (3%). O estudo não identificou aceleradora no Centro-Oeste.

A duração dos processos de aceleração foi outro ponte destacado pela pesquisa. O processo pode variar de um mês a dois anos, com média de seis meses.

Durante o processo, as startups costumam receber um aporte de R$ 45 mil a R$ 255 mil. Nos extremos, há aceleradoras que não oferecem nenhum investimento financeiro e uma que oferece R$ 3 milhões.

Os valores destinados às startups estão diretamente ligados à exigência de participação. Em média, as aceleradoras ficam com 8% das startups.

Aceleradoras que não oferecem aporte financeiro não se tornam sócias da empresa no fim do processo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Rodrigo Helce é presidente da startup brasileira Stilingue / Divulgação

Stilingue fecha parceria de inteligência artificial com a Nvidia

A startup brasileira Stilingue fechou uma parceria de inteligência artificial com a Nvidia, fabricante norte-americana de processadores gráficos (GPUs, na sigla em inglês). A Stilingue fornece ao mercado uma ferramenta de análise de influenciadores e de conteúdo na internet. Por meio do Inception Program, da Nvidia, a startup vai receber apoio[…]

Leia mais »
Dirigentes da Saint-Gobain planejam visitar semanalmente as startups do Cubo / Divulgação

Domo Invest lança fundo de R$ 100 milhões para investir em startups

Rodrigo Borges e Guga Stocco, ex-executivos do Buscapé, criaram a Domo Invest. A gestora de recursos anunciou ontem (31/1) a criação um fundo de até R$ 100 milhões para investir em startups. O apresentação da Domo Invest foi feita durante evento da Bossa Nova Investimentos no Cubo Coworking Itaú. O objetivo é encontrar empresas promissoras[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami