inova.jor

inova.jor

Boticário vai simular órgãos humanos num chip

No ano passado, o Grupo Boticário anunciou a pele 3D, reconstituída em laboratório para testes / Guilherme Pupo/Divulgação
No ano passado, o Grupo Boticário anunciou a pele 3D, reconstituída em laboratório para testes / Guilherme Pupo/Divulgação

O Grupo Boticário não faz testes com animais desde 2000. No ano passado, foi pioneiro no Brasil ao desenvolver pele humana reconstituída em laboratório.

O novo projeto de pesquisa do Boticário na área de testes tem o objetivo de simular órgãos humanos num chip. “Trabalhamos com métodos alternativos há muito tempo”, afirma Márcio Lorencini, gerente de pesquisa biomolecular do Grupo Boticário.

A chamada pele 3D, reconstituída em laboratório, não permite fazer todos os tipos de testes necessários. Com o sistema organs on a chip, o Boticário pretende simular a comunicação entre a pele e o sistema imune do corpo humano, para descobrir, por exemplo, reações alérgicas causadas por cosméticos a partir da pele.

O projeto é uma parceria entre o Boticário e o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), ligado ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e da Rede Nacional de Métodos Alternativos ao uso de Animais (Renama).

A base tecnológica do projeto vem da empresa alemã TissUse. Os primeiros testes devem começar ainda este ano. A expectativa é que, no ano que vem, o grupo já coloque no mercado produtos testados com a nova tecnologia.

“A tecnologia de organs on a chip é bem nova ainda, mesmo fora do Brasil”, afirma Lorencini. “Seu uso em simulação de pele para testes de cosméticos não existe em lugar nenhum.”

A proposta inicial de investimento é de R$ 1,5 milhão, sendo 30% desembolsados pela empresa. O Boticário tem 10 pesquisadores envolvidos no projeto, e o LNBio outros 10.

Pele reconstituída

A pele 3D foi criada no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento do grupo, em São José dos Pinhais (PR). Ela é reconstituída a partir de células provenientes de tecido descartado de cirurgia plástica.

“No Brasil, ainda temos dificuldade de usar pele 3D, porque a importação não é muito fácil”, afirma Lorencini. “O processo pode demorar semanas e tornar o material inviável.”

O uso do tecido precisa do consentimento do doador e da aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da instituição. O Grupo Boticário controla as marcas O Boticário, Eudora, Quem disse, Berenice? e The Beauty Box.

O Brasil é destaque mundial no registro de patentes relacionadas a cosméticos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Fintech criada pela Caixa quer mudar o mercado de seguros

Mais da metade das pessoas que possuem contas bancárias no mundo usa algum produto ou serviço de pelo menos uma fintech (empresas de finanças com alto apelo tecnológico). A informação faz parte da primeira edição do estudo World FinTech Report (WFRT), fruto de parceria entre LinkedIn, Capgemini e Efma. Segundo o estudo,[…]

Leia mais »
O coworking possui área de descanso e relaxamento, inspirados nos escritórios do Vale do Silício / Divulgação

Aceleradora do Google busca startups brasileiras

A Launchpad Accelerator, aceleradora do Google, está recrutando startups que desejam participar da terceira turma de seu programa. O projeto será voltado para startups do Brasil, Índia, Indonésia e México. Com duração de seis meses, o programa terá início em 30 de janeiro do próximo ano. A primeira parte do[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami