inova.jor

inova.jor

Reconhecimento de íris pode tornar o celular mais seguro

Reconhecimento de íris: Renato Citrini, da Samsung, apresenta o Galaxy Note 7 no Parque Olímpico / Renato Cruz/inova.jor
Renato Citrini, da Samsung, apresenta o Galaxy Note 7 no Parque Olímpico / Renato Cruz/inova.jor

RIO

Depois de o leitor de digitais ter se tornado comum em celulares mais sofisticados, os fabricantes apostam agora em reconhecimento de retina para reforçar a segurança dos aparelhos e beneficiar aplicações como pagamento e banco móveis.

Hoje (2/8), a Samsung lançou, em evento no Parque Olímpico, no Rio de Janeiro, o Galaxy Note 7. Um dos destaques do aparelho foi o reconhecimento de retina.

Fabricantes como Microsoft e Fujitsu já têm smartphones com esse recurso. Outros, como ZTE e Alcatel, usam outra tecnologia de reconhecimento ocular como recurso de segurança, fornecida pela EyeVerify.

“Desenvolvemos essa tecnologia por cinco anos”, afirma Renato Citrini, gerente sênior de produtos móveis da Samsung. “O reconhecimento de íris pode substituir usuários e senhas.”

A Samsung ainda não fechou acordos com bancos brasileiros. No ano passado, os serviços bancários via celular cresceram 138% no Brasil, chegando a 11,2 bilhões de transações, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Identificação

O celular registra os dois olhos do usuário, mas ele pode fazer o reconhecimento a partir de somente um. “A tecnologia não funciona com lentes de contato colorida ou lentes de óculos polarizada”, afirma Citrini.

Apesar de nova no celular, o tecnologia de reconhecimento de íris já existe há alguns anos como solução de identificação e segurança.

Ela é uma solução de biometria mais precisa que a leitura de digitais, mas têm enfrentado resistência na sua difusão. Muitas pessoas têm receio de aproximar o olho de um equipamento para ele ser sido.

Como agora o equipamento é o próprio celular, a resistência deve ser menor.

Segundo o gerente da Samsung, a chance de haver um falso positivo com a tecnologia de leitura de digitais é 200 vezes maior do que com a identificação da íris.

O lançamento do Galaxy Note 7 foi feito simultaneamente em Nova York, Londres e Rio de Janeiro. A fabricante de eletrônicos tem um espaço próprio no Parque Olímpico, chamado Samsung Galaxy Studio.

  • O jornalista viajou a convite da Samsung

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Fibra óptica é usada como sensor de movimento numa ponte na Inglaterra / Engineering at Cambridge/Creative Commons

Como a fibra óptica pode funcionar como sensor

A Furukawa, fabricante japonesa de fibra óptica, tem planos para o mercado de internet das coisas. A ideia da empresa é fornecer diferentes tipos de sensores ópticos, que não precisam de energia elétrica para funcionar e são imunes à interferência eletromagnética. Ao medir o comportamento do feixe de luz que[…]

Leia mais »

Oi aposta em aplicativos após pedido de recuperação judicial

Com uma dívida de R$ 65,4 bilhões discutida em processo de recuperação judicial, a operadora de telecomunicações Oi foi buscar inspiração nas startups para tentar sair da crise. A reformulação estrutural da companhia ocorre desde janeiro, com a criação de um departamento digital, chefiado por Maurício Vergani, diretor de Estratégia[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami