inova.jor

inova.jor

Como a Embrapii quer melhorar a competitividade da indústria

A Fundação Certi, de Florianópolis, é uma das credenciadas da Embrapii visitadas no programa de imersão / Renato Cruz/inova.jor
A Fundação Certi, de Florianópolis, é uma das credenciadas da Embrapii visitadas no programa de imersão / Renato Cruz/inova.jor

Quando foi criada, em 2013, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) foi comparada à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A atuação delas, no entanto, é bastante diferente.

A Embrapa foi responsável por tornar o cerrado brasileiro agricultável e, consequentemente, transformar o Brasil numa potência agrícola mundial. As tecnologias que seus pesquisadores desenvolvem beneficiam todo o setor.

Já a Embrapii trabalha com centros de excelência credenciados, que desenvolvem projetos específicos para determinadas companhias, tendo por modelo os institutos Fraunhofer, da Alemanha.

Começou hoje (8/8) um programa de imersão, liderado pela Embrapii e pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em que 20 executivos de 16 grandes empresas vão visitar os principais sistemas de inovação do Brasil.

A Fundação Certi, unidade da Embrapii em Florianópolis, foi um dos locais visitados pelos executivos hoje. A agenda prevê que amanhã os executivos estarão em São Paulo, quarta-feira em Campinas, quinta no Rio de Janeiro e sexta em Salvador.

Entre as empresas participantes estão a GranBio, Johnson&Johnson, Totvs, Samsung, Positivo e Boticário.

Pesquisa e desenvolvimento

Desde a sua criação, a Embrapii fechou 124 projetos, com valor total de R$ 220 milhões. Atualmente, a empresa tem 28 instituições credenciadas.

Os projetos de pesquisa são desenvolvidos entre as empresas e essas instituições. Cada uma delas têm suas especialidades.

A Fundação Certi, por exemplo, está habilitada para as áreas aeroespacial e de defesa, eletrônicos de consumo e produtos eletromédicos.

A Embrapii entra com um terço dos recursos do projeto, que não é reembolsável (a empresa beneficiada não precisa devolver o dinheiro). O credenciado também entra com um terço (na forma de mão de obra e instalações) e o restante é aplicado pela empresa.

“Queremos gerar R$ 1,5 bilhão em projetos, num período de seis anos”, afirma Jorge Guimarães, diretor-presidente da Embrapii.

No lugar de a estatal aprovar cada projeto, existe um sistema periódico de prestação de contas entre a Embrapii e seus associados.

Entre as empresas que se beneficiaram dos projetos, estão a Braskem, Embraer, Natura, Renault, Volvo, Votorantim e Whirpool.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Wagner Moura participou da apresentação da Netflix na CES 2016

CES 2016: Netflix lança serviço no mundo todo, menos na China

Reed Hastings, presidente e fundador da Netflix, anunciou hoje, durante a CES, em Las Vegas, o lançamento do serviço em mais 130 países. “Estamos quase no mundo todo, menos na China”, disse o executivo. “Chega de esperar, chega de ver coisas num horário que não é o seu, chega de[…]

Leia mais »
O Google tem um projeto pioneiro de carro autônomo

Qual é o papel do governo na inovação dos Estados Unidos

Os Estados Unidos planejam investir US$ 4 bilhões em projetos de veículos autônomos, num período de dez anos. O secretário de Transportes, Anthony Foxx, anunciou hoje em Detroit que a medida tem como objetivo acelerar o desenvolvimento e a adoção de automação segura de veículos em projetos-piloto do mundo real. Esse[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami