inova.jor

inova.jor

Como a Embrapii quer melhorar a competitividade da indústria

A Fundação Certi, de Florianópolis, é uma das credenciadas da Embrapii visitadas no programa de imersão / Renato Cruz/inova.jor
A Fundação Certi, de Florianópolis, é uma das credenciadas da Embrapii visitadas no programa de imersão / Renato Cruz/inova.jor

Quando foi criada, em 2013, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) foi comparada à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A atuação delas, no entanto, é bastante diferente.

A Embrapa foi responsável por tornar o cerrado brasileiro agricultável e, consequentemente, transformar o Brasil numa potência agrícola mundial. As tecnologias que seus pesquisadores desenvolvem beneficiam todo o setor.

Já a Embrapii trabalha com centros de excelência credenciados, que desenvolvem projetos específicos para determinadas companhias, tendo por modelo os institutos Fraunhofer, da Alemanha.

Começou hoje (8/8) um programa de imersão, liderado pela Embrapii e pela Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em que 20 executivos de 16 grandes empresas vão visitar os principais sistemas de inovação do Brasil.

A Fundação Certi, unidade da Embrapii em Florianópolis, foi um dos locais visitados pelos executivos hoje. A agenda prevê que amanhã os executivos estarão em São Paulo, quarta-feira em Campinas, quinta no Rio de Janeiro e sexta em Salvador.

Entre as empresas participantes estão a GranBio, Johnson&Johnson, Totvs, Samsung, Positivo e Boticário.

Pesquisa e desenvolvimento

Desde a sua criação, a Embrapii fechou 124 projetos, com valor total de R$ 220 milhões. Atualmente, a empresa tem 28 instituições credenciadas.

Os projetos de pesquisa são desenvolvidos entre as empresas e essas instituições. Cada uma delas têm suas especialidades.

A Fundação Certi, por exemplo, está habilitada para as áreas aeroespacial e de defesa, eletrônicos de consumo e produtos eletromédicos.

A Embrapii entra com um terço dos recursos do projeto, que não é reembolsável (a empresa beneficiada não precisa devolver o dinheiro). O credenciado também entra com um terço (na forma de mão de obra e instalações) e o restante é aplicado pela empresa.

“Queremos gerar R$ 1,5 bilhão em projetos, num período de seis anos”, afirma Jorge Guimarães, diretor-presidente da Embrapii.

No lugar de a estatal aprovar cada projeto, existe um sistema periódico de prestação de contas entre a Embrapii e seus associados.

Entre as empresas que se beneficiaram dos projetos, estão a Braskem, Embraer, Natura, Renault, Volvo, Votorantim e Whirpool.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Neurotech usa o reconhecimento facial para combater fraudes no varejo / Divulgação

Reconhecimento facial pode ser usado até em pagamentos

Grandes varejistas são vítimas de tentativas diárias de fraude. Com documentos falsos, criminosos tentam tirar cartões de crédito ou conseguir crediários. Segundo Wagner Coppede Jr., diretor de Soluções e Engenharia da NEC no Brasil, são registradas em média 5 mil tentativas diárias de fraude em lojas brasileiras. Para combater esse[…]

Leia mais »
Cotidiano: Camilla Tapias, da Vivo, e Renato Pasquini, da Frost, participam do Start Eldorado / inova.jor

Start Eldorado: Qual é o impacto da tecnologia no cotidiano

Camilla Tapias, da Vivo, e Renato Pasquini, da Frost, participam do Start Eldorado / inova.jor   Qual é o impacto da tecnologia no cotidiano das pessoas? Na quarta-feira (10/10), Camilla Tápias, vice-presidente da Telefônica Vivo, e Renato Pasquini, presidente da Frost & Sullivan no Brasil e na América Latina, falaram sobre digitalização,[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami