inova.jor

inova.jor

Como as startups podem ajudar instituições de ensino

A consultoria Accenture quer aproximar instituições de ensino e startups / Patricia Barão/inova.jor
A consultoria Accenture quer aproximar instituições de ensino e startups / Patricia Barão/inova.jor

A educação está em transformação no Brasil e no mundo. A forma como instituições de ensino gerenciam o negócio e interagem com os alunos precisa acompanhar as transformações digitais.

Essa foi a principal mensagem da Semana de Educação da Accenture, realizada na semana passada em São Paulo, que discutiu tendências para a indústria.

Investidores consideram a educação como um dos setores mais atrativos. O valor de mercado da indústria da educação superior no Brasil cresceu até 2012.

De 2014 para 2015, o setor perdeu cerca de R$ 15 bilhões em valor de mercado. A crise da economia brasileira e mudanças nas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) afetaram a confiança e os investimentos na educação.

Um dos pilares para o crescimento do setor é o investimento em novas tecnologias, capazes de personalizar a aprendizagem, atingir um grande número de pessoas interessadas em conteúdos didáticos, permitir o ensino à distância e otimizar a gestão do relacionamento com os alunos.

A rápida expansão da educação superior online no Brasil é um sinal de como a demanda e a oferta têm se transformado rapidamente com o avanço das novas tecnologias.

Com a popularização da banda larga no país e os preços atraentes da mensalidade, a graduação online tornou-se responsável por mais de 15% do total de matrículas no país, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

startups educação
Fonte: Inep

Tecnologia e escalabilidade

As startups de educação podem ser grandes aliadas das instituições de ensino do País, criando ferramentas que resolvam problemas de modelo de gestão ou aprimorarem a qualidade do ensino.

Jorge Freire, líder na América Latina para Educação da Accenture, afirma que aproximar as soluções desenvolvidas pelas startups e o segmento educacional brasileiro é uma oportunidade de gerar produtos e serviços que atendam a demanda de um mercado educacional em transformação.

“Queremos ajudar a criar parcerias com consistência, que permita a otimização de recursos e tenha estrutura para escalar”, afirma Freire.

Enquanto as empresas estabelecidas alavancam resultados com a tecnologia, as startups podem utilizar um ambiente real de mercado para testes, permitindo otimização de produtos.

A Accenture quer servir de ponte entre empresas iniciantes e instituições de ensino. As startups avaliadas para parcerias são selecionadas pelo Cubo, centro de empreendedorismo em São Paulo.

As empresas iniciantes do Cubo recebem apoio e mentoria da Accenture.

Talent Matching é uma startup que une psicologia e tecnologia em sua solução. Ela ajuda a reduzir a evasão de alunos em instituições de ensino superior e permite que eles desenvolvam habilidades comportamentais para o mercado de trabalho.

A Looqbox, startup de inteligência de negócios, organiza as informações da instituição de ensino e as disponibiliza por meio de um sistema de busca interna semelhante ao Google, com o objetivo de tornar sua operação mais eficiente.

Acesso e qualidade

No Brasil, o retorno de um ano adicional de educação pode ser de até 18% em ganhos financeiros. A tecnologia do ensino à distância permitiu ampliar e democratizar o acesso à educação para estudantes de nível superior, porém alguns cursos online ainda não oferecem uma experiência dinâmica que facilite o aprendizado.

Estudantes da era digital, expostos constantemente à novas tecnologias, precisam encontrar na universidade um ambiente que permita explorar e aprender no ritmo do aluno, proporcionando consumo e criação de conteúdo. E isso não significa que eles querem desistir da sala de aula.

Segundo a pesquisa Accenture Education Survey, 81% dos alunos de ensino superior querem mais integração de tecnologia na experiência de sala de aula e acesso online aos materiais de estudo.

Desse total, 89% ainda consideram a aprendizagem presencial bastante eficaz.

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Amos Genish, da Vivo, diz que empresas precisam ser mais inovadoras

‘Brasil precisa criar centros tecnológicos’, diz presidente da Vivo

“O Brasil precisa criar centros tecnológicos aqui”, afirmou ontem Amos Genish, presidente da Vivo, durante a inauguração da nova sede da Wayra, aceleradora de startups do grupo espanhol. “Para saírem da crise, as empresas brasileiras precisam inovar mais, para se tornarem mais competitivas.” Segundo Genish, não falta competência aos profissionais[…]

Leia mais »
Educação: Dispositivos móveis são uma aposta da D2L / Enric Fradera/Creative Commons

‘A educação online é a salvação da América Latina’

A educação a distância substituirá a educação tradicional em alguns anos? É possível ter uma boa formação sem encontrar pessoalmente o professor? Até onde vai o uso da tecnologia para adquirir conhecimento? Essas são apenas algumas das questões que surgem com a aplicação crescente da tecnologia à educação, e o mercado deve receber um forte[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami