inova.jor

inova.jor

De onde vem o conteúdo que você acessa pela internet

Maximiliano Martinhão (MCTIC), Frederico Neves (NIC.br) e o ministro Gilberto Kassab / Renato Cruz/inova.jor
Maximiliano Martinhão (MCTIC), Frederico Neves (NIC.br) e o ministro Gilberto Kassab / Renato Cruz/inova.jor

Nos primeiros anos de operação da internet comercial no Brasil, a porta de entrada dos provedores de acesso para a rede costumava ser uma conexão aos Estados Unidos.

Com isso, se você mandasse um email para alguém do seu bairro que estivesse ligado a outro provedor, havia uma grande chance de a mensagem ter de viajar até os EUA para depois voltar ao Brasil, usando as conexões internacionais.

Esse cenário começou a mudar em 1998, quando a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) criou o primeiro ponto de troca de tráfego (PTT) do País.

No PTT, os vários provedores se conectam localmente, para que o tráfego de informações entre eles seja mantido na região. Isso faz com que o acesso seja mais rápido, além de reduzir o consumo de capacidade de longa distância.

O PTT também concentra servidores de empresas que oferecem conteúdo, como Netflix, Google e Facebook, que têm interesse em estar mais perto dos usuários.

Quanto mais próximo o servidor, menor o risco de o acesso ao conteúdo ser prejudicado por gargalos na rede e, consequentemente, maior a qualidade de serviço para que o acessa.

Ontem (18/8), o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), braço executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), inaugurou um anel óptico que conecta suas duas instalações em São Paulo.

As conexões de fibra óptica aumentam a segurança do PTT de São Paulo. O NIC.br é responsável pela operação do Brasil Internet Exchange (IX.br), conjunto de 26 PTTs em operação no País.

Concentração

O PTT de São Paulo é o maior do hemisfério sul e um dos maiores do mundo. O volume de dados que passa pelo ponto chega a 1,5 terabit por segundo (o que equivale a mais de 100 mil conexões de 10 megabits por segundo).

Segundo Frederico Neves, diretor de Serviços e Tecnologia do NIC.br, mais de 1 mil redes e sistemas autônomos se conectam ao PTT de São Paulo.

O anel óptico inaugurado ontem tem 20 quilômetros de extensão, e foi instalado com recursos próprios do NIC.br.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, e o secretário Política de Informática do ministério, Maximiliano Martinhão, participaram da cerimônia de inauguração.

Sobre a acusação de concorrência desleal feita por operadoras de telecomunicações contra serviços de internet, como WhatsApp e Netflix, o ministro afirmou o seguinte: “Estou à frente do ministério para defender o interesse do usuário. Se o serviço é gratuito, não pode ser criado ônus para o usuário. Por outro lado, é preciso observar também a saúde financeira das empresas de telecomunicações”.

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Alex Salgado, da Vivo Empresas, promete serviços de nuvem de 10% a 30% mais baratos / Renato Cruz/inova.jor

Vivo Empresas quer crescer com serviços de nuvem

A Vivo Empresas, divisão de serviços corporativos da Telefônica Brasil, anunciou hoje (12/6) uma ampliação do serviço de nuvem Vivo Cloud Plus. A empresa tem uma parceria com a VMware, fornecedora de software, e com a Huawei, responsável pelos equipamentos. Os serviços são prestados a partir de nove data centers da[…]

Leia mais »
Infraestrutura: Discussão sobre franquia de dados da banda larga tem se limitado ao acesso / mohsend72/Creative Commons

Só a banda larga cresce nas telecomunicações brasileiras

No ano passado, a banda larga fixa foi o único serviço de telecomunicações que cresceu no Brasil, de acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O País ganhou 1,1 milhão de novos acessos, o que representou um crescimento de 4,33% sobre 2015. Em novembro e dezembro, no entanto, a banda larga fixa[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami