inova.jor

inova.jor

Telefônica e Senac incentivam empreendedores

Primeira turma do crowdworking será formada por ex-alunos do Senac / Renato Cruz/inova.jor
Primeira turma do crowdworking será formada por ex-alunos do Senac / Renato Cruz/inova.jor

A Telefônica, dona da Vivo, e o Senac procuram empreendedores que queiram criar empresas em São Paulo. Crowdworking é o nome do projeto de pré-aceleração criado pela Telefónica Open Future em parceria com diversas instituições de ensino brasileiras.

Já existem dois espaços colaborativos, em Santa Rita do Sapucaí (MG) e na Universidade de Londrina (PR), e o terceiro será instalado no Centro Universitário Senac, no bairro de Santo Amaro, em São Paulo.

A parceria combina a estrutura e os professores de empreendedorismo do Senac com a mentoria e rede de relacionamentos da Open Future. O acordo tem duração inicial de um ano, podendo ser renovado.

Ex-alunos do campus estão sendo convidados a formar a primeira turma a participar do projeto.

“A turma piloto será formada por quatro grupos de ex-alunos convidados, conforme projetos que eles já desenvolveram aqui no Senac. Os encontros devem começar já em setembro”, diz Pablo Padilha, coordenador pedagógico do Crowdworking.

O programa dará prioridade para alunos e ex-alunos do Campus Santo Amaro. Os participantes deverão ter dedicação exclusiva durante o ano de projeto, sem remuneração.

“Não vamos restringir as inscrições de alunos de outros campi do Senac, mas entendemos que é difícil estar neste campus todos os dias da semana. A presença obrigatória do projeto”, alerta Leandro Mastropasqua, coordenador de parcerias de Centro de Estudos Aplicados do Senac.

Parcerias

O projeto recebe a participação direta da Wayra Brasil, aceleradora pertencente à Telefônica.

Renato Valente, diretor geral do Telefónica Open Future e diretor da Wayra Brasil, explica que é possível futuros investimentos a startups que participem do projeto.

“O crowdworking é uma forma para nós, da Telefónica, encontrarmos novos empreendedores. O projeto é criado em parceria com academias porque queremos criar esse contato com os pesquisadores e estudantes. Ficaremos de olho em todo o processo de pré-aceleração e em caso de alguma ideia se tornar um projeto de negócio viável, vamos ajudar a desenvolvê-lo da melhor forma possível”, explica Valente.

As inscrições para a segunda turma deve iniciar em novembro deste ano, com previsão para início das atividades em fevereiro. A intenção, segundo Padilha, é manter duas turmas por ano no projeto de pré-aceleração.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

TIM: ‘O brasileiro ama o celular, mas odeia a operadora’

Com investimento previsto de R$ 14 bilhões até 2017, a TIM Brasil quer se tornar a queridinha dos usuários de telefonia móvel e internet de banda larga nos próximos anos. Entre as principais apostas da empresa está a melhora da experiência no uso da internet. “Nos últimos três anos, investimos para[…]

Leia mais »
Desafio para startups da J&J quer atender necessidade dos idosos / SESC SP/Creative Commons

Johnson & Johnson busca parceria com startups brasileiras para atender idosos

A Johnson & Johnson busca startups latino-americanas que tenham soluções de saúde voltadas para idosos. O programa Innovation Challenge on Aging Consumers aconteceu no Brasil por meio de parceria com a 100 Open Startups. Está prevista para abril a divulgação do nome da startup vencedora do desafio. Ela vai desenvolver um projeto com técnicos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami