inova.jor

inova.jor

Internet das coisas tem potencial de transformar os esportes

Esportes: Atleta vai saber o motivo exato que o levou a ganhar ou perder / Roberto Castro/Agência Brasil
Atleta vai saber o motivo exato que o levou a ganhar ou perder / Roberto Castro/Agência Brasil

A chamada internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), tecnologia que promete conexão entre objetos do nosso cotidiano como óculos, relógios e até roupas, é considerada uma tendência que vai abranger inúmeras áreas de atividades e negócios.

Segundo pesquisa da Harbor Research, tecnologias inteligentes para esportes e fitness estão entre as áreas líderes para o desenvolvimento de soluções para internet das coisas.

A influência que IoT terá na evolução dos esportes está em possibilitar que os atletas saibam exatamente o motivo que os levou a ganhar ou perder uma competição.

Para atletas profissionais, a coleta e a análise de dados são fundamentais para traçar metas e entender como chegar aos melhores resultados.

Enquanto nadadores atravessam piscinas em velocidades cada vez maiores e os lances em uma partida de golfe são continuamente mais precisos, a internet das coisas vai ser peça chave para ajudar nesse trabalho de mensurar a evolução dos atletas.

Além dos wearables, dispositivos vestíveis que captam informações por meio de sensores, a IoT nos esportes promete estar em tacos de golfe, raquetes de tênis e capacetes conectados.

Todos esses equipamentos estarão prontos para fornecer uma série de informações que passarão a trafegar na rede em tempo real.

Esportes: Luis Banhara, da Citrix / Divulgação
Luis Banhara, da Citrix / Divulgação

Ao passo que mais objetos se conectam, o grande volume de informações armazenadas e em trânsito geram dois grandes desafios técnicos:

  1. processar dados de forma eficiente, e
  2. trafegar essas informações de maneira fluida nos meios de conexão que temos hoje.

Para endereçar esses desafios, deve-se considerar soluções que contribuam para a gestão inteligente de um parque de servidores, apoiando-se na virtualização, e em tecnologias para melhorar o uso dos meios de conexão disponíveis para acessarmos dados que estão na nuvem.

Segurança da informação

A segurança é outra preocupação constante da internet das ccoisas, assim como na tecnologia em geral. Quando todos os dados do desempenho de um atleta estão trafegando na rede sem uma forma segura de transmissão, essas informações ficam à mercê de hackers, que podem, por exemplo, buscar números sobre as fraquezas do atleta para entregá-las ao adversário.

Não são apenas indicadores como batimento cardíaco e transpiração, mas sim se o atleta errou e acertou e também o que precisa melhorar para atingir o desempenho desejado.

Deve-se prevenir de vazamentos em três instâncias na ponta:

  • no trânsito de dados entre o dispositivo e o receptor – o computador ou tablet;
  • na segurança do próprio wearable; e
  • no equipamento onde as informações ficam armazenadas.

A virtualização de aplicativos pode prover esta camada de segurança ao dispositivo móvel, tablet ou PC, mandando os dados para o data center o mais rapidamente possível sem armazenar nada no equipamento do usuário.

Mais dispositivos, sensores e coisas levarão a mais dados em movimento, e garantir que esses fluxos de informações estejam seguros representa um novo desafio.

O amadurecimento das ferramentas de segurança que vemos hoje no mercado nos permite ser otimistas em relação ao sucesso da internet das coisas em várias verticais.

No esporte, prover em tempo real os dados de desempenho do atleta é um movimento que confirma a importância da tecnologia para chegar no pódio.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

As soluções de computação em nuvem cresceram rapidamente na América Latina / Damien Pollet/Creative Commons

Por que o software é a nova infraestrutura

A maioria de nós, que está há alguns anos no mercado de tecnologia, veio de uma época em que se dizia “build it and they will come”. Isto é, primeiro construímos o que quer que seja (o data center, uma aplicação, uma rede…) e depois nos preocupamos com quando e[…]

Leia mais »
O jornalista Renato Cruz comenta o estudo A nova era das parcerias homem-máquina, que aponta como será o mercado de trabalho em 2030

Como será o mercado de trabalho em 2030

O jornalista Renato Cruz comenta o estudo A nova era das parcerias homem-máquina, feito pelo Institute For the Future para a Dell. Oitenta e cinco por cento das profissões que vão existir em 2030 ainda não existem hoje. Assine o canal do inova.jor no YouTube. Comentários comentários

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami