inova.jor

inova.jor

O que falta para o Brasil ingressar na era da indústria 4.0

Indústria 4.0: O robô Baxter, da Rethink Robotics, é treinado para cumprir tarefas, no lugar de ser programado / Divulgação/Rethink Robotics
O robô Baxter, da Rethink Robotics, é treinado para cumprir tarefas, no lugar de ser programado / Divulgação/Rethink Robotics

As fábricas brasileiras precisam ingressar na quarta fase da Revolução Industrial, a chamada indústria 4.0, para conseguir disputar de igual para igual o mercado internacional.

Essa é a conclusão do evento Sasi 4.0, realizado hoje (30/9) na Universidade de São Paulo (USP), que contou com especialistas de diversos setores em debates sobre a aplicabilidade do conceito no Brasil.

A indústria 4.0 significa um passo além da automação. Plataformas eletrônicas controlam processos físicos e as informações fluem entre os sistemas de gestão empresarial e de relacionamento com clientes e a produção.

O País ainda está longe das potências mundiais que aderiram à modernização e à automação das fábricas, como a Alemanha.

As expectativas a curto prazo não são favoráveis. Vinícius Cardoso Fornari, especialista do Conselho Nacional de Indústria (CNI), apresentou resultados de pesquisa com empresários brasileiros sobre a intenção de investimento na digitalização da produção.

“Numa pesquisa feita pela CNI, 42% das empresas brasileiras disseram que não conhecem o potencial e a necessidade de se aplicar a digitalização na indústria, e isso é muito grave”, alertou.

Apesar disso, têm aumentado as discussões sobre o tema em empresas e universidades, pois há necessidade de se formar profissionais que possam atuar nessas fábricas inteligentes.

O novo profissional precisa ter conhecimentos técnicos de todo o processo de produção, diferentemente do que ocorre na maioria das indústrias hoje no País, onde o trabalho é descentralizado.

A falta de mão de obra especializada foi apontada como um dos principais desafios para se implementar uma digitalização de alto nível nas fábricas.

“O problema da mão de obra não é a formação do engenheiro aqui no Brasil em relação a outros países, é a quantidade de profissionais formados. Em alguns setores, engenheiro é considerado artigo de luxo”, disse Alexandro Souza, gerente de automação da DuPont Pioneer.

Celso Placeres, diretor de engenharia de manufatura da Volkswagen, disse ainda que a digitalização das fábricas não é questão de preferência.

“A indústria 4.0 não é tendência, é algo certo. Todas as empresas terão de aplicar essa tecnologia em algum momento para sobreviver. As tecnologias já estão postas no mercado, é preciso apenas decidir a melhor forma de aplicá-las ao seu negócio”, disse Placeres.

Saúde

O conceito também pode ser aplicado a outros setores, com a saúde. Tecnologias como a internet das coisas devem ajudar a aumentar a produtividade do setor.

A economista Patrícia Marrone explica que a adoção do conceito pelo setor pode funcionar como salvação numa época de recessão econômica.

“É ingênuo o mercado achar que o País, com este déficit anual, conseguirá comprar mais medicamentos. É preciso que as empresas aumentem a produtividade para, num cenário como este, pelo menos conseguirem manter o volume de vendas”, disse Marrone.

O evento debateu ainda a aplicabilidade do conceito de indústria 4.0 à agricultura e à logística.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Os dados são a nova moeda na quarta revolução industrial / Mikael Hvidtfeldt Christensen/Creative Commons

Por que a era da nuvem exige armazenamento rápido de dados

Independentemente da indústria, a capacidade de transformar dados em inteligência é a nova moeda competitiva no mercado. Hoje, empresas B2C se tornaram companhias de consumo e também de tecnologia. Para se manterem competitivas em um mercado de bens de consumo cada vez mais saturado, é exigido uma visão em tempo[…]

Leia mais »
Drone apresentado na CES 2015

CES 2016: Para onde vai o mercado de eletrônicos

Vivemos tempos interessantes. Os objetos estão cada vez mais conectados, mas ninguém sabe ainda quais serão os vencedores do mercado de “internet das coisas”, que vão substituir os computadores (que enfrentam vários trimestres de queda de vendas) e os smartphones (que passam por um período de desaceleração). Nesta semana, acontece[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami