inova.jor

inova.jor

O que falta para a rede elétrica inteligente decolar no Brasil

Tecnologia de smart grid permite manutenção mais eficiente das redes / Divulgação
Tecnologia de smart grid permite manutenção mais eficiente das redes / Divulgação

A rede inteligente, também chamada de smart grid, torna os serviços de fornecimento de energia elétrica mais eficiente.

Equipados com sensores, dispositivos conectados reduzem falhas, fraudes e desperdícios, agilizam a manutenção da rede e permitem a oferta de novos serviços.

A AES Eletropaulo instalou seu piloto de smart grid em Barueri. A empresa conseguiu homologar no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) um medidor com comunicação sem fio e Power-Line Communication (PLC), que usa a própria rede elétrica para transmitir informações.

A expectativa é que esse medidor, fabricado no Brasil pela Weg, comece a ser instalado na casa dos clientes até o fim deste ano.

O medidor conectado permitirá oferecer aos consumidores tarifa branca, cujo valor varia de acordo com o dia e o horário. Também possibilitará a microgeração: se o cliente tiver, por exemplo, painéis solares instalado, poderá fornecer energia ao sistema quando houver geração excedente.

Maria Tereza Vellano, diretora de Planejamento e Engenharia da AES Eletropaulo, destaca que o projeto vai beneficiar 62 mil clientes, numa população de 250 mil pessoas.

Com investimento de cerca de R$ 70 milhões, o piloto de Barueri é um projeto de pesquisa e desenvolvimento (P&D). A regulação do setor define que a concessionária deve destinar 1% da receita operacional líquida em P&D.

Segundo Maria Tereza, o desafio ainda é tornar a solução de smart grid economicamente viável. “A dificuldade está no preço do medidor, que precisaria de uma política de incentivo”, afirma a executiva.

O medidor eletrônico sai por cerca de R$ 800, enquanto o básico custa entre R$ 50 e R$ 60.

Centro de excelência

A Sonda IT instalou no Brasil seu Centro de Excelência em Utilities. A partir do Brasil, vai apoiar as demais operações da integradora chilena para os setores de energia, saneamento e gás.

O centro tem o objetivo de disseminar os conceitos de cidade inteligente e smart grid, oferecendo tecnologias de computação em nuvem, mobilidade, inteligência de negócios e big data.

A experiência da operação brasileira no setor vem da compra em 2012 da Elucid, que fornecia software e serviços para empresas de geração, transmissão e distribuição de energia.

“A ideia é compartilhar o conhecimento pela América Latina toda”, afirma Eduardo Borba, presidente da Sonda IT no Brasil.

Além de Brasil e Chile, a empresa atua no México, Costa Rica, Panamá, Venezuela, Colômbia, Peru, Uruguai e Argentina.

A rede elétrica inteligente é uma aplicação de internet das coisas e um componente da cidade inteligente.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Apple Event 2015

Seu anúncio, o Ad Block e a microssegmentação

A IAB Brasil, associação que promove o marketing digital no país, estima que a publicidade mobile deve fechar o ano com um investimento total de R$ 822 milhões. Apesar do crescimento de 14% em relação a 2014, os anunciantes estão preocupados com o retorno sobre o investimento: o número de[…]

Leia mais »
Marcos Cintra, presidente da Finep, participa de evento sobre IoT / Renato Cruz/inova.jor

Finep: ‘Empresa brasileira precisa investir mais em pesquisa’

“As empresas brasileiras precisam investir mais em pesquisa e desenvolvimento. O maior investimento ainda é do governo e não vamos melhorar se continuarmos assim”, afirmou Marcos Cintra, presidente da Finep. Cintra participou ontem (15/3) do Fórum Estadão IoT e Infraestrutura. Segundo ele, o Brasil investe cerca de 1,3% do Produto[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami