inova.jor

inova.jor

‘Transformação digital abre via de acesso ao ataque de hackers’

Hackers: Funcionários das empresas devem ser preparados para transformação digital, dizem especialistas / Divulgação
Funcionários das empresas devem ser preparados para a transformação digital, dizem especialistas / Divulgação

Empresas do mundo inteiro passam por um período de transformação digital. Durante esse processo, executivos precisam conhecer melhor a figura do hacker, criminoso disposto a tirar vantagens ao criar o caos.

Entender como agem os hackers é a primeira etapa para manter os dados da empresa em segurança. É o que acredita Thomas Geiger, diretor de operações da empresa alemã CenterTools, especializada em segurança da informação.

“A transformação digital da sociedade abre uma nova e grande via de acesso ao ataques de hackers”, disse hoje (13/9) durante o evento it-sa Brasil 2016, em São Paulo.

Para o especialista, a falta de atenção em seguranças de dados é algo histórico, que começou com o uso comercial da internet. Foi a partir de episódios de grande impacto que empresas começaram a prestar a atenção nesse assunto.

Em pouco tempo, no entanto, o cibercrime se tornou um negócio milionário. O primeiro grande ataque por vírus, em 2000, chamado de “I Love You”, infectou dezenas de milhares de computadores no mundo inteiro, trazendo cerca de US$ 15 bilhões em prejuízo.

Hoje, com inúmeras variações de malwares, estima-se perdas mundiais de cerca de US$ 400 bilhões por ano devido a ataques cibernéticos.

“O malware se tornou um produto comercial. É preciso que os executivos entendam de uma vez por todas que quem faz isso não é mais um garoto nerd que infecta computadores com vírus por diversão. Há no mundo uma poderosa indústria de crime disposta a tirar vantagem”, diz Geiger.

Medidas de segurança

Thomas Geiger, da CenterTools / Divulgação
Thomas Geiger, da CenterTools / Divulgação

Para evitar perder valores e informações na rede é possível que as empresas tomem algumas atitudes.

Uma delas, é ensinar os funcionários a realizar boas práticas do mundo digital. Estima-se que 70% dos ataques criminosos bem-sucedidos aconteçam por comportamento errado dos usuários.

Também é necessário investir em técnicas e soluções de seguranças dentro das empresas. Auditorias internas precisam ser feitas com frequência para garantir a segurança dos dados.

A questão, no entanto, precisa ser vista com velocidade. Isso porque o mundo está no que os especialistas consideram a metade da transformação digital.

A próxima fase dessa transformação será a integração e tráfego de dados entre máquinas, sem ser necessário a participação humana neste processo, no que a indústria chama de internet das coisas.

Em sistemas poucos seguros, essa tecnologia será uma grande porta de entrada para contaminações, acredita Geiger.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

No Brasil, a maioria das conexões M2M está concentrada em máquinas de cartão / Edilson Rodrigues/Agência Senado

Quando as máquinas conversam entre si

Georgia Jordan Totalizando 11,6 milhões de acessos em abril de 2016, o Brasil é o maior mercado de comunicação máquina a máquina (M2M, na sigla em inglês) da América Latina. No entanto, não é necessariamente o mais avançado comparado a outros países em que o serviço é mais recente. O mercado brasileiro[…]

Leia mais »
Instituto de pesquisa do Senai, na Bahia, está entre as visitas programadas do programa / Rafael Martins / Sistema FIEB/ Divulgação

Embrapii e CNI querem aproximar empresários e institutos de pesquisa

Empresários interessados em aproximar suas companhias de institutos e centros de pesquisa no Brasil e no exterior já podem se inscrever no Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação. O projeto é fruto da parceria entre a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), e a[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami