inova.jor

inova.jor

Como proteger as suas informações na nuvem

Crescimento da computação em nuvem contribuiu para a queda da pirataria de software no Brasil / blockdev/Creative Commons
Crescimento da computação em nuvem contribuiu para a queda da pirataria de software no Brasil / blockdev/Creative Commons

Nos últimos anos, a computação em nuvem despontou como uma solução eficiente para o mercado da tecnologia na medida em que o modelo permite ao consumidor comprar apenas as ferramentas que de fato precisa e irá usar.

Ou seja, faz o software caber no bolso de quem não tem poder aquisitivo para programas empacotados.

O mercado de cloud computing também exerce influência positiva sobre a pirataria de softwares no Brasil, cujo principal argumento de quem a pratica é o de que os programas oficiais são muito caros.

Ao viabilizar a compra de um software por tempo determinado e de forma mais flexível, podemos entender que, além de campanhas educativas e a gestão efetiva de ativos de software (SAM, na sigla em inglês) adotada por empresas líderes, a nuvem contribuiu sim para a queda nos índices de pirataria no Brasil em 3 pontos percentuais, de 50% para 47%, nos últimos dois anos, conforme mostra a pesquisa Pirataria de Softwares 2016, patrocinada pela Business Software Aliance (BSA) e divulgada no 1º semestre.

Parece uma queda pouco importante, mas não é. É a primeira vez que o Brasil registra um declínio sustentado de pirataria nesse setor por dois anos consecutivos.

No entanto, agora, a nuvem traz consigo novos desafios relacionados à segurança da informação.

A pedra no meio do caminho é o compartilhamento de credenciais que garantem acesso aos serviços de software em nuvem. O hábito, comum em escritórios, deixa informações confidenciais vulneráveis, o que é um risco sério para empresas.

A BSA realiza periodicamente uma pesquisa global sobre o uso de softwares. A edição de 2016 indicou que 58% dos usuários da tecnologia cloud compartilham credenciais de acesso aos serviços de software comercial.

O dado mais alarmante revela que mais de um em cada dez admite compartilhar as informações com pessoas de fora da empresa. Dentro desse grupo, 72% afirmaram que já fizeram isso mais de uma vez.

Ou seja, compartilhar senhas e logins faz com que dados confidenciais e estratégicos do negócio possam ser acessados por estranhos, o que, obviamente, fragiliza a segurança da informação da empresa.

Política de segurança

Nuvem: Pitanga, da BSA / Divulgação
Pitanga, da BSA / Divulgação

O estudo ainda mostra que parte do problema está ligado à falta de orientação e à ausência de politicas formais nas empresas para o uso dos serviços em cloud: 42% dos participantes do levantamento revelaram que as companhias onde trabalham não possuem regras nesse sentido.

Isso quer dizer que, por mais que a nuvem tenha trazido inúmeros benefícios para as áreas de TI das empresas, ela ainda precisa de gestão corporativa, ou seja, políticas que aprovem fornecedores de serviços em nuvem e que definam seu uso na companhia de forma segura.

O ideal é que as empresas embutam em seus programas de gestão de ativos software a discussão e acompanhamento dessas políticas de acesso a informações via cloud.

É importante frisar que um SAM efetivo não apenas define as métricas para a compra de softwares em nuvem de maneira segura, como também monitora as provisões de licenciamento e o número de usuários que acessam o serviço.

Além de reduzir e prevenir ameaças digitais, a implementação de programas do tipo pode gerar economias da ordem de 25%, por meio da eliminação de ineficiências, como a hospedagem de softwares desnecessários.

Novas soluções trazem novos desafios; novos desafios trazem novas soluções e é assim que o mercado de software continua a trazer inovação para empresas e consumidores.

  • Antonio Eduardo Mendes da Silva (Pitanga), country manager da BSA para o Brasil.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mark Hurd, da Oracle, aposta na nuvem para garantir o crescimento / Renato Cruz/inova.jor

‘A nuvem é mais segura’, diz Mark Hurd, da Oracle

Mark Hurd, presidente mundial da Oracle, considera mais seguro uma empresa contratar seu sistema de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) na nuvem do que instalá-lo num servidor próprio. “Normalmente, uma empresa tem computadores de vários fabricantes, tem nosso banco de dados e de outros fornecedores, tem de administrar[…]

Leia mais »
WannaCry explora vulnerabilidade que já era conhecida da comunidade de segurança / Creativity103/Creative Commons

WannaCry é ponto de inflexão na indústria de segurança

Como já é de amplo conhecimento público, o código malicioso WannaCry atingiu escala mundial, afetando, até o momento desta analise, cerca de 200 mil sistemas em mais de 150 países. Desse total, a Rússia aparece como o pais mais afetado, com 113.692 sistema, e o Brasil é o quinto da lista, com[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami