inova.jor

inova.jor

Aceleradora do Google busca startups brasileiras

O coworking possui área de descanso e relaxamento, inspirados nos escritórios do Vale do Silício / Divulgação
Startups brasileiras estão na mira da aceleradora do Google, que tem um espaço de coworking em São Paulo / Divulgação

A Launchpad Accelerator, aceleradora do Google, está recrutando startups que desejam participar da terceira turma de seu programa. O projeto será voltado para startups do Brasil, Índia, Indonésia e México.

Com duração de seis meses, o programa terá início em 30 de janeiro do próximo ano. A primeira parte do projeto acontecerá no Google Developers Launchpad Space, em São Francisco, na Califórnia.

No evento, os participantes receberão orientação técnica e de negócios. Os participantes também receberão mentoria e dicas profissionais de 20 times do Google.

Todas as despesas durante a participação no evento nos EUA serão custeadas pela multinacional.

Financiamento

Durante o período de aceleração, as startups serão acompanhadas por funcionários da Google. Os empreendedores também terão acesso contínuo a especialistas e recursos do Google durante todo o programa.

Ao fim, as startups receberão ainda um equity-free funding (financiamento sem contrapartida). O valor destinado às primeiras turmas era de US$ 50 mil, o deste ano ainda não foi divulgado.

A seleção buscará startups de tecnologia que já possuem produto e desejam aumentar a velocidade de crescimento.

Aplicativos ou tecnologias com potencial de impacto na economia local, regional ou em mercados emergentes são alvo do programa da aceleradora.

As inscrições podem ser feitas até o dia 24 de outubro pelo site do programa.

Em junho, o Google inaugurou um espaço para startups em São Paulo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Baixos custos e pouco tempo de curso atraem estudantes para startups de e-learning / Chris Devers / Creative Commons

Startups de educação à distância crescem na crise

O mercado de educação à distância está em ascensão. Com custos mais baixos e aulas interativas, o modelo tem atraído pessoas que querem se especializar, mas que contam com pouco tempo e dinheiro. As startups voltadas para educação são vistas como promissoras. Surgida em 2011, a Descola quer preencher lacunas pouco exploradas pelas[…]

Leia mais »
Operadoras brasileiras passam por processo de transformação digital / Senado Federal/Creative Commons

‘Maioria das operadoras brasileiras ainda opera como commodity’

Com a nova Lei Geral de Telecomunicações travada no Congresso após embate na Justiça, os investimentos no setor para neste ano não devem ser muito diferentes do que em 2016. A crise econômica e a instabilidade na aprovação da lei têm segurado investimentos das operadoras, que continuam sendo constantemente pressionadas[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami