inova.jor

inova.jor

Empreendedores brasileiros participam de competição alemã

Dois projetos da área da saúde vão representar o Brasil no Falling Walls Lab, na Alemanha / Divulgação
Dois projetos da área da saúde vão representar o Brasil no Falling Walls Lab, na Alemanha / Divulgação

O protótipo de um retinógrafo que reduz custos de exames oftalmológicos e uma tecnologia para uso de células-tronco em medicamentos  serão os representantes do Brasil no evento de inovação Falling Walls Lab deste ano, em Berlim.

O Falling Walls Lab é patrocinado pelo Conselho de Ciência e Inovação da Alemanha, em parceria com a consultoria A.T. Kearney.

O evento reúne pesquisadores e empreendedores do mundo inteiro que tenham ideias inovadoras de grande impacto para a sociedade.

No Brasil, dois pesquisadores foram selecionados para representar o país na final, em 8 de novembro, na Alemanha. Ao todo, 94 projetos foram inscritos e 14 chegaram à final, realizada ontem (19/9) no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).

Inovação em saúde

Formado em Ciência da Computação, José Augusto Stuchi apresentou o projeto de um retinógrafo portátil, acoplável ao smartphone. O dispositivo foi considerado a melhor ideia da noite e será um dos representantes brasileiros.

O empreendedor defendeu que o uso retinógrafo deve baratear os custos de exames oftalmológicos e atender, principalmente, cidades menores, deficientes de recursos para esse tipo de análise.

“Muitas pessoas ficam cegas no Brasil por falta de atendimento necessário, queremos mudar isso”, disse Stuchi durante a apresentação. A equipe, encabeçada por ele, conta ainda com profissionais de oftalmologia e clínicos de outras áreas.

A segunda ideia que representará o País na Alemanha também é da área da saúde. Diogo Biagi apresentou um projeto de uso de células tronco para testes de medicamentos e regeneração de órgãos.

“Acreditamos que as células podem ajudar a melhorar potencialmente a eficácia dos medicamentos. Além disso, no futuro, a evolução dessa tecnologia poderia ser usada para criar órgãos, diminuindo o sofrimento e a espera de pessoas que precisam de doação”, disse Biagi.

A participação de brasileiros na competição internacional é considerada forte entre os demais competidores internacionais. Martina Schulze, presidente do Conselho Diretor do Centro Alemão de Ciência e Inovação, ressalta a importância.

“O crescimento da inovação aqui é impressionante. No ano passado, o Brasil teve o maior número de finalistas dentre todos os outros países”, afirmou Schulze.

A representante da Alemanha acrescentou que os representantes terão oportunidade ainda de conhecer instituições alemãs que realizam pesquisas em suas respectivas áreas de conhecimento.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Cassio Spina defende a criação de incentivo fiscal ao investimento anjo / Renato Cruz/inova.jor

Investimento anjo sobe, mas número de investidores cai

O volume de investimento anjo somou R$ 851 milhões no Brasil em 2016, o que representou aumento de 9% sobre o ano anterior. Apesar disso, o total de investidores caiu 3%, passando de 7.260 em 2015 para 7.070 no ano passado. As informações constam de uma pesquisa divulgada hoje (28/6) durante[…]

Leia mais »
Mobilidade: João Carlos Oliveira, da GS1, divulgou estudo sobre automação / Renato Cruz/inova.jor

Como a mobilidade afeta o comportamento do consumidor

O crescimento dos smartphones tem mudado o comportamento do consumidor brasileiro. Hoje (30/6), a Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) divulgou a terceira edição de seu estudo Consumidores e empresas: tendências e comportamento no mercado nacional. “O consumidor busca automatizar sua vida cada vez mais pelo celular”, afirma João Carlos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami