inova.jor

inova.jor

No Japão, o robô pode ser o melhor amigo de um humano

O robô Kirobo Mini, da Toyota, ajusta sua conversação às preferências do usuário / Divulgação
O Kirobo Mini, da Toyota, ajusta sua conversação às preferências do usuário / Divulgação

A ideia de robôs domésticos tornou-se realidade somente no Japão. Pelo menos por enquanto. Hoje (3/10), foi a vez de a Toyota anunciar o Kirobo Mini, um autômato de 10 centímetros de altura que parece um bebê e conversa com seu dono.

Com início das vendas previsto para o ano que vem no Japão, o dispositivo tem preço previsto de cerca de US$ 400. Segundo a Toyota, o Kirobo Mini é capaz de:

  • Participar de uma conversa, gesticular e interpretar as expressões faciais do interlocutor;
  • Lembrar das preferências do usuário e de eventos passados, como viagens de carro que fizeram juntos;
  • Ser levado para qualquer lugar, já que cabe na palma da mão;
  • Melhorar a conversação com informações de objetos conectados, em casa ou no carro.

O anúncio causou certa polêmica, pois algumas notícias apontaram que o robô teria sido criado como um substituto de criança para mulheres sem filhos, diante da queda de natalidade japonesa.

Apesar de a Toyota não apresentar o robô explicitamente dessa forma, vídeos de demonstração mostram o Kirobo Mini interagindo com uma mulher jovem.

Sentimentos

O Kirobo Mini é apenas o exemplo mais recente de robô doméstico no Japão. Um autômato mais conhecido é o Paro, foca robô lançada no começo deste século para fazer companhia para idosos.

Outro exemplo é o Pepper, do Softbank, que também foi empregado como atendente em lojas do Japão.

Mas não são somente empresas japonesas que apostam em robôs domésticos. Durante a Consumer Electronics Show (CES), no começo deste ano em Las Vegas, a francesa Blue Frog Robotics demonstrou o Buddy, robô para a família desenvolvido com financiamento coletivo pelo Kickstarter.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Martijn de Waal defende o uso de ferramentas digitais em projetos de urbanização / Renato Cruz/Inova.jor

Quatro maneiras de hackear sua cidade

Martijn de Waal, pesquisador da Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã, não gosta do conceito de cidade inteligente. Ontem (16/3), durante apresentação no Red Bull Station, em São Paulo, ele mostrou uma série de imagens de cidades inteligentes. “Quando as pessoas falam desse assunto, normalmente acabam em coisas como estas”, afirmou,[…]

Leia mais »
'Sandy Wexler' é o terceiro filme exclusivo para o Netflix feito por Adam Sandler / Reprodução

Por que a Netflix decidiu fazer oito filmes com Adam Sandler

O que é bom gosto em cinema? Confesso que gosto do Adam Sandler. Acho Embriagado de Amor, em que ele é o protagonista, o melhor filme já feito pelo diretor Paul Thomas Anderson. Melhor que Sangue Negro e melhor que Magnólia. Mas eu não consegui ver The Ridiculous 6, o primeiro filme[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami