inova.jor

inova.jor

Interconexão de empresas combina mundos físico e digital

Interconexão: Número de organizações interconectadas deve quase dobrar até 2017 / Divulgação
Número de organizações interconectadas deve quase dobrar até 2017 / Divulgação

A era da computação começou em meados dos anos 1980 nas empresas, com bases proprietárias de dados e informações manipuladas em fitas ou disquetes.

Dez anos depois, as empresas perceberam que precisavam conectar-se para alcançar o desenvolvimento – cresceram as redes de dados e os PCs passaram a ser adotados em massa, não só nas empresas, mas também na casa das pessoas.

Com a internet, entramos na era da conectividade, em que as redes passaram a transmitir dados em todo o mundo – encurtamos as distâncias e começamos a falar sobre mobilidade, cloud computing e mídias sociais.

Hoje, vivemos num tempo em que a necessidade de estar sempre conectado já é uma realidade em nosso dia a dia. Para o Gartner, até o final de 2016 haverá mais de 6 bilhões de objetos online em todo o mundo.

Agora, mais que conectados, o desafio é a interconexão de dados pessoais e empresas. Essa nova era vai transformar os mercados de consumo e corporativo, melhorando a experiência do usuário em todos os âmbitos.

Pelo lado do consumidor, a tendência da internet de tudo é a bola da vez. Ela reúne todas as informações trocadas pelas coisas e adiciona uma inteligência que integra dados, pessoas, processos e objetos.

Isso gera uma gama infinita de possibilidades de produtos e serviços, como a fabricação de roupas que se adaptem à temperatura externa ou carrinhos de supermercado que nos mostrem onde estão os produtos que precisamos comprar com base em nossa lista. Tudo a partir da interconexão de dados.

Era da interconexão

Interconexão: Eduardo Carvalho, da Equinix / Divulgação
Eduardo Carvalho, da Equinix / Divulgação

Entre as empresas, essa tecnologia tem um viés um pouco diferente. Ela consiste na ligação direta, escalável e flexível a um ponto neutro que reúna parceiros de serviços, operadoras de rede e clientes – e os executivos já entendem a vantagem desse modelo.

A pesquisa A Empresa do Futuro, realizada pela Equinix, aponta que número de organizações interconectadas quase dobrará até 2017. Hoje, apenas 38% utilizam esse tipo de solução e a estimativa é que chegue a 84% até o final do próximo ano.

A partir dessa conexão direta entre parceiros e clientes, é possível desenvolver sistemas mais rápidos e eficientes e produtos mais completos, aumentando a receita das empresas.

Um estudo da Forrester mostrou que a interconexão rende 300% de retorno de investimento, recuperação do investimento em 4,2 meses e uma redução média de 42% na latência num período de 3 anos.

A revolução tecnológica iniciada nos anos 1980 aposentou modelos tradicionais, dando lugar a negócios digitais que, segundo o Gartner, ultrapassam a barreira tecnológica e combinam os mundos físico e virtual.

Se as empresas não compartilharem informações e se reinventarem, podem ser as próximas a ficar paradas no tempo. E, para a consultoria, a interconexão é o segredo para o sucesso, o ponto de integração – ou a cola – entre físico e digital.

Isso mostra que a era da interconexão já chegou e veio para ficar.

  • Eduardo Carvalho é presidente da Equinix no Brasil

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Legislação brasileira não protege métodos de negócios nem funcionalidades de software / George Buchholz/Creative Commons

Como a propriedade intelectual protege as fintechs

Vivemos uma ascensão das empresas que utilizam ferramentas tecnológicas para prestação de serviços financeiros, as fintechs. Em outras palavras, empresas de soluções inovadoras que buscam facilitar a realização de transações financeiras como empréstimos e pagamentos, bem como auxiliar os clientes na administração de suas finanças. Segundo dados da consultoria Accenture,[…]

Leia mais »
A IBM apresentou o robozinho NAO como um possível atendente de banco / Vincent Desailly/Divulgação

Como será o banco do futuro

O setor financeiro passa por um momento de transformação. Terminou ontem (23/6) o Ciab, evento de tecnologia da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Conversei com Gustavo Fosse, diretor de Tecnologia e Automação Bancária da Febraban, sobre três das principais tendências apresentadas durante o evento. Computação cognitiva Novos sistemas de computação procuram entender o[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami