inova.jor

inova.jor

Como as tecnologias móveis modificam o varejo físico

Varejo: Dario Dal Piaz, do Facebook, fala sobre como as empresas podem usar bots no Messenger / Patricia Barão/inova.jor
Dario Dal Piaz, do Facebook, fala sobre como as empresas podem usar bots no Messenger / Patricia Barão/inova.jor

Combinar o varejo físico com tecnologias móveis se tornou peça fundamental para ganhar competitividade e enfrentar a concorrência do comércio eletrônico.

Durante a 9ª edição do Forum Mobile+, que terminou hoje (5/10) em São Paulo, varejistas e empresas de tecnologia discutiram como o varejo está se movimentando para oferecer uma experiência de loja cada vez mais personalizada e completa, integrando ambientes físicos e digitais.

A transformação das lojas físicas vem num momento em que o varejo é afetado pelo crescimento do comércio móvel. De acordo com o Panorama Mobile Time/Opinion Box 2016: Comércio Móvel no Brasil, 71% dos que compram online já fizeram compras através de um aplicativo ou site no smartphone. Desse total, 53% fazem mais compras pelo celular hoje do que há 6 meses.

Segundo a pesquisa, muitas pessoas ainda preferem as lojas físicas. Questões como a falta de confiança nos meios online (37%), gostar de ver ou provar o produto antes da compra (26%) e não possuir cartão de crédito (22%) são as principais razões para os entrevistados nunca utilizarem um smartphone para fazer compras.

Os varejistas entendem que o atendimento na loja melhora a experiência e gera fidelidade dos clientes, que ainda preferem o ambiente físico para comprar.

Algumas das tecnologias para melhorar essa experiência são o atendimento personalizado, a utilização de beacons (dispositivo que emite sinais através da tecnologia bluetooth diretamente aos smartphones cadastrados) e as aplicações de pagamentos móveis.

Pagamento Seguro

Marcelo Mattar, gerente de marketing e parcerias da Samsung , mostrou como o Samsung Pay permite cadastrar cartões no celular para pagamentos em lojas físicas.

Em breve, os dados dos documentos de identificação também poderão ser integrados à carteira virtual, que garante mais segurança, já que os clientes não precisam falar os números dos seus documentos no caixa, além de permitir serviços de cuponização para as lojas.

O Samsung Pay já funciona com os principais bancos e redes de cartão do país. O sistema também oferece vários itens de segurança: impressão digital e tokenização a cada compra, soluções de proteção contra softwares maliciosos e rastreamento e bloqueio de informações à distância.

Apesar da preocupação com a segurança nas operações, as aplicações de pagamentos móveis ainda são vistas como inseguras pelos clientes.

Segundo Mattar, é responsabilidade de todo o setor a educação do mercado para o pagamento móvel. A insegurança dos consumidores acontece mais pela falta de familiaridade com o meio de pagamento e de informações sobre como utilizar a carteira eletrônica.

Atendimento personalizado

O Facebook lançou em abril a integração de bots ao seu serviço de mensagens, o Messenger. Agora, as empresas podem automatizar o atendimento ao cliente na plataforma.

Segundo Dario Dal Piaz, líder de Parcerias de Produtos do Facebook no Brasil, cerca de 1 bilhão de mensagens já são trocadas entre marcas e pessoas todos os dias.

Recentemente, a empresa liberou o Messenger Codes, a versão do Facebook para os QR Codes usados para identificar e adicionar um usuário ao Messenger usando a câmera do celular.

Essa novidade facilita a comunicação atendimento personalizado, uma vez que é possível colocar o Messenger Code no ponto de venda para que o cliente tire dúvidas sobre um produto ou promoção.

Também é possível instalar os Codes na fatura do cliente, folhetos informativos e todo o material de comunicação das empresas.

Conhecer o cliente

O aeroporto internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, lançou o aplicativo móvel RIOgaleão, para atender a demanda por informações dos 45 mil passageiros que transitam no aeroporto diariamente.

Alexandre Villeroy, diretor de TI do RIOgaleão, explicou que o aplicativo deve diminuir o stress de quem não conhece o aeroporto.

Por meio do aplicativo é possível acompanhar o embarque e desembarque de um voo, localizar os terminais de check-in das companhias aéreas, consultar as opções de lojas e serviços do local, traçar rotas dentro e fora do aeroporto, via Waze e Googgle Maps. Já são mais de 100 mil pessoas que baixaram o aplicativo.

Os próximos passos, de acordo com Alexandre, é aproveitar a estrutura dos 3 mil beacons instalados em todo o aeroporto para entender perfis e comportamentos dos usuários, distribuir promoções baseadas na localização dos passageiros no aeroporto e integrar com sistemas de parceiros de negócios como companhias aéreas e lojas locais.

Gestão de lojas

Não é somente do lado do cliente que as tecnologias móveis fazem diferença no varejo. A Woolton desenvolveu o RetailApp, um aplicativo para gestão de lojas.

A empresa foi fundada por Gonzalo Almada, ex-presidente da Swarovski Cristais para a América Latina. Com o aplicativo, é possível monitorar o desempenho das vendas e o estoque em tempo real, criando níveis de acesso à informação de acordo com o cargo ocupado pelo usuário.

Entre as empresas que usam o aplicativo está a Victoria Secrets do Caribe, que integrou 30 lojas. No Brasil, os clientes incluem a Salvatore Ferragamo, Pucci, Óticas Carol e Quero Quero.

Segundo Marcelo Monteiro, vice-presidente de Operações da Woolton para a América Latina, o objetivo é chegar a 2,5 mil pontos de venda com o RetailApp no primeiro ano de operações.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Empresas se sentem menos preparadas para enfrentar ameaças digitais

Suas informações estão seguras na internet?

No seriado Mr. Robot, um grupo de hackers decide atacar um conglomerado chamado E Corp., e apagar todas as dívidas do mundo. Christian Slater, que interpreta o “Mr. Robot” do título, disse à Business Insider que trabalhar no seriado o tornou um pouco paranoico em relação à tecnologia. “Descobri como uma coisa maravilhosa[…]

Leia mais »
A VR Monkey foi uma das oito startups escolhidas pelo Programa de Promoção da Economia Criativa / Divulgação/VR Monkey

Realidade virtual atrai investimento no Brasil

A startup paulistana VR Monkey, que desenvolve soluções de educação em realidade virtual, é uma das empresas escolhidas para participar do Programa de Promoção da Economia Criativa. Parceria entre Samsung, Associação de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e Centro de Economia Criativa e Inovação da Coreia do Sul, o programa prevê[…]

Leia mais »

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami