inova.jor

inova.jor

Quanto custa para a Samsung acabar com o Galaxy Note 7

Samsung anunciou o lançamento do Galaxy Note 7 em evento no Parque Olímpico, no Rio / Renato Cruz/inova.jor
Samsung anunciou o lançamento do Galaxy Note 7 em evento no Parque Olímpico, no Rio / Renato Cruz/inova.jor

O Galaxy Note 7 foi anunciado no começo de agosto durante evento que aconteceu simultaneamente em Nova York, Londres e no Parque Olímpico, no Rio.

O smartphone era uma grande aposta da fabricante sul-coreana para disputar a faixa superior do mercado, e trazia novidades como o recurso de reconhecimento de íris.

O produto acabou, no entanto, gerando uma das maiores crises já vistas no mercado de consumo. O Note 7 superaquece e, em alguns casos, chega a explodir.

Depois de um recall de 2,5 milhões de unidades, no começo deste mês, o problema persistiu. Hoje (11/10), a Samsung decidiu interromper a fabricação e as vendas do Note 7.

O fim do Note 7 traz prejuízos bilionários para a Samsung. A marca está em sétimo lugar entre as mais valiosas do mundo, segundo a Interbrand.

Na sessão mais recente da Bolsa de Seul, os papéis da fabricante caíram 8%, o que resultou numa perda de valor de mercado de US$ 19 bilhões.

Risco de segurança

O ponto mais grave da crise é que o Note 7 não é somente um produto defeituoso. Ele coloca em risco a segurança do consumidor.

Apesar de não haver informações oficiais, o Financial Times noticiou que o problema não estaria nas baterias usadas pelo aparelho, mas na tecnologia que permite o carregamento rápido de energia.

Com sua tela grande (5,7 polegadas na versão cancelada), a linha Note foi responsável pela popularização do conceito de “phablet”, aparelho intermediário entre o tablet e o smartphone, e pela volta da caneta stylus.

Além da perda de valor de mercado, a Samsung enfrenta dois tipos de prejuízo: o do cancelamento do aparelho em si e do impacto geral na marca.

Analistas acreditam que o cancelamento do Note 7 pode custar US$ 17 bilhões à Samsung, segundo a agência Reuters, sem contar o impacto nas vendas de outros produtos, mais difícil de estimar.

A Samsung é a maior fabricante de celulares do mundo, tendo vendido 76,7 milhões de unidades no segundo trimestre, de acordo com o Gartner, o que representou uma fatia de mercado de 22,3%.

Confiança do consumidor

O caso Note 7 é especialmente problemático para a Samsung na competição com a Apple (segundo maior fabricante de smartphones) pelos aparelhos de alto padrão, já que é importante para essas marcas apresentarem-se como referência de qualidade.

“Não dá para calcular a perda de confiança do consumidor em dinheiro”, escreveu em editorial o Chosun Ilbo, maior jornal da Coreia do Sul, citado New York Times.

O periódico sul-coreano também destacou que “não levou muitos anos para a Nokia despencar do seu posto de maior fabricante de celulares do mundo”.

No Brasil, a Samsung divulgou a seguinte nota:

“Para benefício da segurança dos consumidores, interrompemos as vendas e trocas do Galaxy Note 7 pelo mesmo modelo e consequentemente, decidimos parar a produção do produto.

A Samsung destaca que o produto não foi comercializado no Brasil. Caso o consumidor tenha adquirido o Galaxy Note 7 fora do Brasil ou para mais informações a respeito do tema, por favor, entre em contato com nossa equipe de atendimento ao consumidor pelo telefone: 4004-0000 (capitais) e 0800-124-421 (demais cidades).”

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Antonio Quintas, diretor sênior de Mobile da Samsung, apresenta os novos modelos A5 e A7 / Mariana Lima / inova.jor

Samsung investe na marca depois dos problemas com o Note 7

A Samsung vai investir pesado em marketing neste ano para reforçar sua marca no Brasil. A decisão foi tomada depois dos problemas enfrentados em 2016 pelo Galaxy Note 7, um de seus aparelhos de topo de linha, que foi retirado do mercado mundial depois de dezenas de celulares pegarem fogo. “O Brasil é um mercado muito[…]

Leia mais »

Qual é o impacto do Marco Civil da Internet nos serviços de conexão e aplicativos

O Marco Civil da Internet define direitos e deveres de cidadãos e empresas na internet. Essa lei tem impacto em áreas como telecomunicações,  comércio eletrônico, negócios digitais, mobilidade, entretenimento, educação digital, startups de tecnologia e aplicativos. Pela sua atualidade e abrangência, é considerado referência internacional. Porém, por ser recente, ainda[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami